Lei que garante mais segurança no entorno de penitenciárias é sancionada

O Governo do Estado sancionou a Lei nº 11.042/2019, de autoria do deputado João Batista, que restringe o uso de áreas no entorno das unidades penais reduzindo a criminalidade
1e962b424e6cebc3052a40fd6e3b3246

Mais um projeto de autoria do deputado estadual João Batista (Pros) foi sancionado pelo Governo do Estado, desta vez, a Lei nº 11.042/2019, que dispõe sobre a restrição ao uso de áreas no entorno das unidades penais e o plano de mitigação de riscos contra o crime organizado, teve publicação no diário oficial desta quinta-feira (05).

De acordo com o parlamentar, a Lei cria a Área de Segurança Penitenciária Estadual (ASPE), no exterior dos estabelecimentos prisionais, deixando o local mais seguro tanto para os profissionais como para população. “O objetivo é evitar fugas, arremessos de objetos, de materiais ilícitos e explosões, além do contato de presos por qualquer meio, com a parte externa das penitenciárias, garantindo assim, mais segurança para a sociedade”, frisou João Batista.

Conforme o texto da matéria fica autorizado também, o patrulhamento das áreas, por agentes penitenciários de grupos especializados que atuam no Sistema, além das forças policiais de segurança pública do Estado. “Havendo necessidade, os agentes poderão bloquear vias nas adjacências das unidades, realizar abordagem em caso de atitudes suspeitas e localizando o ilícito, conduzir o infrator à autoridade policial competente”, afirma o documento.

Tomadas elétricas

Consta ainda, especificado no artigo quarto do PL, que fica vedada a instalação de tomadas de energia elétrica nas celas das penitenciárias em Mato Grosso. “Devendo ser providenciada a retirada daquelas já instaladas antes da publicação desta Lei”, diz trecho do projeto.

Na avaliação do deputado, a sociedade será beneficiada com a Lei, que garantirá mais segurança à população. “Quem ganha com isso é a população mato-grossense, através da redução da prática criminosa, restringindo até mesmo, o uso do telefone celular nas celas”, avaliou João Batista.

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *