Com obra paralisada, VLT vai custar R$ 118 milhões aos cofres em 2020

f0fa2af12bd95b64cec179274999fcba

Mesmo com obras paralisadas há cinco anos, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) vai custar R$ 118 milhões em 2020. Conforme estimado no projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LOA), R$ 66,3 milhões serão destinados para pagar os dois contratos que o Estado possui com a Caixa Econômica Federal, enquanto que R$ 52 milhões serão para despesas administradas pela secretaria de Infraestrutura (Sinfra).

O secretário Marcelo de Oliveira, titular da pasta, aponta que o VLT passará a ser uma prioridade a partir de  março. O prazo foi estabelecido pelo governador Mauro Mendes (DEM) para dar uma resposta sobre a continuidade ou não do modal.

A dívida de Mato Grosso referente ao VLT corresponde a 9,87% do montante da dívida consolidada do Estado, tanto interna – com bancos nacionais – quanto externa com o Banco Mundial, que em 2020 soma R$ 7,1 bilhões. Ao todo, o Estado ainda deve R$ 710 milhões referentes aos empréstimos com a Caixa.

Nos últimos cinco anos, Mato Grosso já pagou mais de R$ 500 milhões referentes aos empréstimos.

Em 2012, quando o Estado contratou os financiamentos, teve a liberação de R$ 423,7 milhões, dos quais usou R$ 297,3 milhões. O segundo contrato foi no valor de R$ 730,5 milhões, dos quais R$ 660,8 milhões foram liberados.

Mauro chegou a estabelecer prazo em 2019 para dar uma resposta sobre o VLT, mas ao final do exercício, pediu desculpas por não ter cumprido a meta e justificou que a situação do modal é complexa, e tem como grande complicador a judicialização.

Fonte: RD NEWS

Foto: Gilberto Leite/Arquivo

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *