Motorista da AL é preso por roubo na casa de Janaína Riva

b1c8e8a50c86cae3246651be7a96bb4e

Polícia pendeu na tarde de segunda-feira (6), Odnilton Gonçalo Carvalho Campos, servidor da Assembleia Legislativa lotado no gabinete da deputada Janaina Riva (MDB). Ele é suspeito de envolvimento no roubo ocorrido na casa da parlamentar no dia 24 de dezembro.

Conforme apurado pela reportagem do site Gazeta Digital, a prisão de Odnilton caiu como uma bomba na família Riva, que o tinha como funcionário de confiança. O mandado foi cumprido no mesmo endereço em que o crime aconteceu, no bairro Santa Rosa, em Cuiabá.

Expedido pela Justiça, o mandado foi cumprido pela Delegacia de Roubos e Furtos de Cuiabá (Derf), que deflagrou a Operação Judas Iscariotes na manhã de segunda-feira, com o objetivo de cumprir 5 mandados de prisão e 4 de busca em Cuiabá e Nobres.

A reportagem tentou contato com o delegado Guilherme Fachinelli, que preside o inquérito, mas não obteve sucesso. Já a assessoria da Polícia Civil informou que não irá divulgar informações sobre a operação, já que a investigação do caso ainda está em andamento.

Fontes próximas dos Rivas contaram que a família já suspeitava de que Odnilton havia participado do crime, uma vez que os bandidos usaram o controle do portão eletrônico para entrar na residência.

O ex-deputado José Riva, sua esposa, Janete e seus netos, estavam viajando. Na madrugada de Natal, estavam na casa apenas a deputada Janaina Riva e o marido, Diógenes Fagundes.

Em nota, a deputada afirmou que recebeu com surpresa a notícia da prisão. Além disso, diz confiar no trabalho da polícia e que não irá se manifestar.

Confira a nota na ítegra:

“A deputada estadual Janaina Riva (MDB) informa que é com surpresa que recebeu a informação da prisão de um dos servidores, supostamente por envolvimento no assalto à residência da parlamentar, ocorrido na madruga do dia 24 de dezembro, em Cuiabá. Janaina informa que por enquanto não vai se manifestar sobre assunto até conhecer o teor do inquérito policial que levou à essas prisões. “Confio no trabalho da polícia, porém, ainda não tomei conhecimento sobre qual teria sido o envolvimento dele e muito menos das provas que subsidiaram os mandados de prisão. Vou aguardar a conclusão do inquérito”, finaliza.

 

Fonte: Gazeta Digital

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *