Júlio Campos quer unir DEM e MDB para disputa no Senado

O ex-governador espera que aliança de 2018 seja repetida na eleição fora de época
4102cd55e0b555597b754becb7370bfa

Considerado forte nome para disputar a vaga da senadora cassada Selma Arruda (Podemos) no Senado pelo DEM, o ex-governador Júlio Campos, viu com naturalidade a foto em que o governador Mauro Mendes (DEM) aparece com a empresária Margareth Buzetti (PP). Na ocasião, surgiram boatos de que Mendes supostamente poderia estar articulando apoio a Buzetti na disputa eleitoral. “Não tem nada muito haver politicamente. Foi um encontro social. O governador Mauro Mendes foi passar o fim de semana descansado lá na praia de Camboriú em Santa Catarina e lá na confraternização, tomando uma cervejinha eles tiraram aquela foto o governador”, comentou em entrevista ao programa Resumo do Dia (TV Brasil Oeste 8.1).

O cacique do DEM refere-se a foto publicada no Instagram da primeira-dama Virgínia, onde o chefe do Executivo estadual aparece ao lado do ex-ministro Blairo Maggi, o secretário da Casa Civil Mauro Carvalho e a empresária Margareth Buzetti. Na foto, eles posam com os dois dedos indicadores formando “11”, número do PP, partido no qual Margareth é filiada.

Contudo, Campos descarta que o encontro tenha tido qualquer viés políticos. “[Aparece] o senador, a Margareth, familiares do Maggi e outros amigos que estavam lá, fizeram aquela pose com distintivo com o numero 11 do PP, mas não significa que o governador tenha compromisso nenhum com o 11 do PP. Ele é 25 né”, complementou.

Campos ainda lembrou a reunião que teve com o prefeito Emanuel  Pinheiro (MDB), o deputado federal Emanuzinho Neto (PTB) juntamente com seu irmão senador Jayme Campos e a prefeita de Várzea Grande Lucimar Campos (DEM) para discutir uma possível aliança política. Mesmo com Emanuel e Mendes protagonizando uma avassaladora briga política com Mauro Mendes, o democrata não descarta uma provável coligação entro o DEM e MDB na disputa ao Senado. “Houve essa conversa e adentou-se a hipótese de nós fazermos um grupo grande para termos possivelmente um candidato em conjunto para disputar a vaga de senador mediante pesquisa que está sendo feita”, explicou.

A eleição suplementar ao Senado ocorre após a decisão do do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) que por 7 votos a 0 cassou o mandato da senadora Selma Arruda (Podemos) por prática de caixa dois, abuso de poder econômico e propaganda extemporânea durante a pré-campanha. Na última semana o TRE definiu que a votação será realizada no dia 26 de abril.

Com isso, os partidos tem até 12 de março para realizar as convenções e definir seus candidatos. “Nós temos pressa. Temos que agir rápido e nós vamos decidir se nós vamos com candidatura própria ou se vamos partir com coligação com aliados do pleito passado. Claro que com candidatura própria eu já coloquei o meu nome a disposição para disputar essa vaga de Senado”, garante.

 

Fonte: Folhamax

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *