Oito partidos articulam chapa para confrontar agro e “bolsonarismo” em MT

Grupo tem Max Russi, Valdir Barranco, Rosa Neide e Doutor Leonardo entre os principais nomes para a disputa
3d68c0e414ba974197ae3ebb724c0f7a

O deputado estadual, Ludio Cabral (PT), revelou nesta segunda-feira (3) que articula junto com outras legendas de centro-esquerda, definir um grande arco de aliança para “brigar” contra a frente do agronegócio e “bolsonarista”, na disputa a eleição suplementar ao Senado, que será realizada no dia 26 de abril.

Neste domingo (2), lideranças partidárias se  reuniram para definir as legendas que fariam parte do grupo político durante a “3ª reunião do campo Democrático e Popular”.  Além do PT, integram o bloco o PCdoB, PSB, Rede, PL, SD, PROS e PV.

“Há um bloco que é o um bloco dos gigantes das economia do Estado, os gigantes do agronegócio que vão apresentar uma, ou mais de uma candidatura. Tem o Fávaro, tem Pivetta, Nilson Leião e vão para o Senado para continuar representando esses interesses. Há um outro bloco político que é o bloco do Bolsonarismo que tem o Medeiros, o Barbudo e há um bloco que eu entendo ser necessário ser construído que eu chamaria de partido do Campo Democratico Popular”, explicou Ludio durante entrevista a Rádio Metrópoles.

Entre as principais lideranças deste bloco, estão os deputados Max Russsi (PSB) e Valdir Barranco (PT). Segundo Lúdio, a aliança ainda possui outros nomes “competitivos” para lançar ao pleito. “No PCdoB tem a professora Maria Lucia, o PSB  tem o deputado Max Russi, o Solidariedade tem o deputado Dr. Leonardo, a Rede sustentabilidade tem Sebastião Carlos que foi candidato ao Senado na eleição passada e o PROS tem a Gisela Simona”, listou.

Além dos citados, o grupo deve contar ainda com apostas do Partido Verde (PV) com o secretário de Serviços Urbanos de Cuiabá, José Roberto Stopa, o vereador Mario Nadaf, o deputado Faissal Calil. No Partido Liberal, o nome cotado é do presidente da AMM (Associação Mato-grossense dos Municípios), Neurilan Fraga).

Lúdio, que constantemente tem seu nome colocado para a disputa, disse que este não é seu projeto. Segundo ele, o PT tem seis nomes para o concorrer ao pleito.

“O PT tem quadros qualificadíssimos para fazer essa disputa e uma resolução da executiva já apontou alguns nomes como a deputada federal Rosa Neide, o deputado estadual Valdir Barranco, o ex-deputado federal Carlos Abicalil, Professora Enelinda Escala, Professora Edna Sampaio, o Henrique Lopes que é o primeiro suplemente de deputado estadual”, complementou.

Contudo, Ludio alega que é necessário amadurecer a ideia e por isso as siglas devem continuar se reunindo até a definição final do postulante que irá concorrer a cadeira deixada por Selma. “Essa agenda de diálogo entre os partidos vai continuar acontecendo para até o momento da tomada de decisão, que eu acredito que seja na primeira quinzena de março”, finaliza.

A eleição suplementar ao Senado ocorre após a decisão do do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) que por 7 votos a 0 cassou o mandato da senadora Selma Arruda (Podemos) por prática de caixa dois, abuso de poder econômico e propaganda extemporânea durante a pré-campanha. Na última semana o TRE definiu que a votação será realizada no dia 26 de abril

Anúncio

Um comentário

  • Aparecida de Fátima Simão Gouveia De Moraes

    4 de fevereiro de 2020 at 12:15

    Não voto em petistas e nem em seus apoiadores,venha que vcs vão ver ,o poder que nos cidadão de bem desse país tem

    Responder

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *