Emanuel Pinheiro afirma que oposição fez “macumba” contra a gestão municipal

Emanuel-Pinheiro-5

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) voltou a reclamar da atuação dos vereadores de oposição que, segundo ele, torcem para que sua administração dê errado. O emedebista afirma que a torcida pelo “quanto pior, melhor” chegou a motivar um dos seus opositores a “fazer macumba” contra ele.

O “trabalho” contra o prefeito seria para que o Executivo não conseguisse empréstimo perante o CAF (Corporação Andina de Fomento – Banco de Desenvolvimento da América Latina) no valor de 115 milhões de dólares (algo próximo de R$ 495 milhões) para investimentos no município.

“Soube até que um foi visto num centro de macumba. Viram e até pedi para terem fotografado. Viram ele amarrando o meu nome na boca de um sapo, para que esse empréstimo não aconteça. Tenho testemunha disso, mas não vou envolver a pessoa”, disse Emanuel, durante lançamento das obras de ampliação da rede de drenagem de águas pluviais, recapeamento e recomposição asfáltica no bairro Jardim Industriário, na manhã de hoje (19).

O prefeito ainda reforçou que a prefeitura mantém interesse em adquirir o empréstimo junto ao CAF, para colocar em prática projetos de obras do Programa Cuiabá 300. A desistência de tal operação de crédito externo chegou a ser confirmada pelo secretário Zito Adrien (Planejamento), mas foi rebatida por Emanuel.

O prefeito explica que desde outubro de 2017 iniciou as tratativas para aquisição do empréstimo internacional, que será um legado que pretende deixar para os próximos gestores. “Cuiabá, somente com a Fonte 100 (recursos próprios) não irá conseguir suprir as demandas de uma cidade que cresce exponencialmente e você precisa buscar linhas de crédito”.

Cuiabá já conseguiu junto ao Banco do Brasil e à Caixa Econômica e está avançado junto ao CAF. O Palácio Alencastro Já recebeu o sinal verde e, hoje, o pedido encontra-se em análise pela Secretaria Nacional do Tesouro, que só avaliza quem comprova capacidade de endividamento, que mantém equilíbrio em sua gestão.

Leia íntegra da nota da Prefeitura sobre empréstimo:

“A Prefeitura de Cuiabá esclarece que NÃO desistiu do empréstimo perante o CAF (Corporação Andina de Fomento – Banco de Desenvolvimento da América Latina) no valor de 115 milhões de dólares para investimentos de melhoria na qualidade de vida da população cuiabana;

O Executivo Municipal, em razão dos excelentes indicadores de gestão e equilíbrio fiscal, obteve também o aval para obtenção de recursos perante a outras instituições financeiras (Banco do Brasil e Caixa Econômica);

Necessário reiterar que a aquisição desses recursos não inviabiliza ou representa a desistência do empréstimo junto ao CAF. Pelo contrário, os valores são aguardados para efetivação de obras de grande porte na Capital;

Ciente dos rigorosos trâmites burocráticos para anuência do empréstimo perante ao CAF e mediante respaldo legal, a Prefeitura de Cuiabá optou pela realocação dos recursos já viabilizados pelo Banco do Brasil e Caixa, que ofertaram carência, prazo elástico para o pagamento de parcelas, além de boa taxa de juros.

A medida foi adotada considerando garantir agilidade para execução de obras de mobilidade urbana, como o Contorno Leste e os viadutos;

A política de ajuste fiscal implementada pela gestão Emanuel Pinheiro, a capacidade de endividamento e responsabilidade na gestão dos recursos, são fatores preponderantes para anuência de empréstimos;

O prefeito Emanuel Pinheiro explica que desde outubro de 2017 iniciou as tratativas para aquisição do empréstimo internacional. “É um legado que eu quero deixar para os próximos gestores. Cuiabá, somente com a Fonte 100 (recursos próprios) não irá conseguir suprir as demandas de uma cidade que cresce exponencialmente e você precisa buscar linhas de crédito. Cuiabá já conseguiu junto ao BB e à Caixa e está avançado junto ao CAF. Já recebemos o sinal verde e, hoje, o pedido encontra-se em análise pela Secretaria Nacional do Tesouro, que só avaliza quem comprova capacidade de endividamento, que mantém equilíbrio em sua gestão, mas ainda temos um longo caminho a percorrer”, finaliza.”

Às 12h29 – Infeliz comentário

Por meio de nota, Emanuel afirma ter sido infeliz ao fazer esse comentário. Reforça que respeita todas as religiões e que ao falar a palavra “macumba” na forma figurativa, não afirmou em se tratar de nenhuma religião específica, e sim de uma possível intenção de prejudicar a gestão. Até porque, como é de conhecimento geral, a chamada “macumba” não possui vínculo com nenhuma religião

Por fim, afirma que comentou algo que vieram lhe relatar, “mas que em nenhum momento isso passou a ser relevante dentro da meta de fazer de Cuiabá uma Capital mais humanizada e com qualidade de vida para a população”.

Fonte: RD NEWS

Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *