Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre

 

Governo do Estado já pagou mais de R$ 500 milhões do empréstimo feito junto à Caixa Econômica para implantar o VLT (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O grupo funciona no Ministério de Desenvolvimento Regional, e conforme informou o próprio ministério por meio de assessoria de imprensa, tem objetivo de estudar e analisar alternativas de solução para a reestruturação do empreendimento.

Serão produzidos cinco relatórios técnicos, que vão tratar sobre serviços, equipamentos e obras entregues, alternativas técnicas ao empreendimento, gestão financeira da execução contratual e custos adicionais, além de perspectiva jurídica e de gestão de risco.

Desde a criação do grupo já foram realizadas seis reuniões ordinárias, além de reuniões específicas de ordem técnica.

Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre

O que já foi entregue até agora

O VLT já possui 40 trens comprados que estão conservados e mantidos pelo fabricante. Segundo a Sinfra, existe uma série de produtos e equipamentos armazenados como de sinalização, semaforização, posteamento para sustentação de catenária e cabos. Tudo isso está no Centro de Manutenção em Várzea Grande.

Já estão comprados 55 quilômetros de trilhos para a implantação do modal nos 22 km do traçado. A quantidade considera os trajetos de ida e volta entre Várzea Grande e Cuiabá.

Também estão no Centro de Manutenção equipamentos para implantação de nove subestações das 12 previstas no projeto do VLT. Três já foram instaladas em Várzea Grande.

Das obras já concluídas para o VLT já está pronta a ampliação da ponte Júlio Muller, que liga Várzea Grande a Cuiabá; o viaduto do Aeroporto Marechal Rondon; a estação localizada em frente ao aeroporto;  viaduto da UFMT;  e o viaduto em frente a Sefaz, que está 100% executado.

Entre as obras parcialmente construídas está a passagem da Trigo de Loureiro – na av. Miguel Sutil entre os bairros Consil e Aráes; o canal da Prainha que está 50% executado; viaduto na saída para Santo Antônio do Leverger – que ainda falta pistas laterais; a trincheira Luiz Felipe – na av. Historiador Rubens de Mendonça – que está parcialmente executada.

Fonte: O Livre

Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre