MT registra 13 mortes por dengue e 81 municípios têm risco de surto

Screenshot_20200424-201837_Facebook

Número de casos de dengue em Mato Grosso cresce 183% e já são 13 mortes este ano, colocando o Estado em situação de alerta. São 26.500 casos registrados até esta quinta-feira (23), contra 6.886 no mesmo período do ano passado. O alto risco de surto da doença ocorre em 81 dos 141 municípios mato-grossenses

Boletim divulgado pela secretaria de Estado de Saúde na tarde desta sexta-feira (24) mostra que entre os municípios com situação mais crítica está Sinop (500 km ao norte de Cuiabá) que já registrou 6.319 casos de dengue este ano, contra 780 no mesmo período do ano passado. De 574,1 casos por 100 mil habitantes, o município hoje tem 4.650,6 casos para o mesmo grupo.

Acima de 500 casos por 100 mil habitantes há mais 48 municípios. Com índice mais alto ainda que Sinop estão Itanhangá (7.035,6 casos por 100 mil habitantes), Ribeirãozinho (5.991,4), Campos de Júlio (5.651,1), Ipiranga do Norte (5.187,6) e Feliz Natal (5.107,4).

A incidência de dengue que, no ano de 2019 era de 205,9 no Estado, subiu para 792,3 a cada 100 mil habitantes.

“A dengue não é mais uma doença sazonal para Mato Grosso e sim epidêmica. Com isso, há alto risco para esses agravos, o que coloca os gestores municipais em estado de alerta, sendo importante intensificar as ações preventivas de combate ao mosquito transmissor. A população pode contribuir nesse combate, limpando reservatórios de água e eliminando possíveis criadouros”, explicou a superintendente de Vigilância em Saúde da SES-MT, Tatiana Helena Belmonte.

Segundo Tatiana Belmonte, os municípios com registros de óbitos têm plano de contingência para dengue, chikungunya e zika, contam com profissionais da saúde que receberam capacitação para classificação de risco e médicos capacitados para o manejo clínico dessas arboviroses.

A superintendente ainda reforça que os municípios que estão em alto risco para dengue, mesmo em meio à pandemia da Covid-19, devem ter a atenção organizada para atender aos casos de dengue.

Ações do Estado

A fim de evitar mais casos de dengue no Estado, a SES realiza oficinas de atualização em manejo clínico aos municípios que compreendem as 16 regionais de saúde de Mato Grosso. Paralelas às oficinas de atualização, a Secretaria também auxiliou os municípios na construção do Plano Regional e Municipal de Contingência as arboviroses dengue, zika e chikungunya e tem mantido a distribuição de insumos estratégicos, como inseticidas e larvicidas utilizados como medida complementar ao controle do vetor.

 

O órgão estadual ainda tem realizado controle de qualidade na identificação das larvas do Aedes, encontradas e coletadas nos municípios, além de cooperação técnica.

Sintomas

A dengue e chikungunya são transmitidas pelo mesmo mosquito e apresentam sintomas parecidos. Os principais sintomas são: febre e náuseas, dor abdominal, exantema (irritação da pele), dor de cabeça, dor retroorbital (dor ao redor dos olhos) e principalmente dor abdominal.

“Às pessoas com febre e mais sintomas associados, que estejam em local de transmissão da dengue e da chikungunya, é recomendado que procure imediatamente a unidade de saúde mais próxima para receber o tratamento adequado. Nesse período de estiagem, as pessoas tendem a armazenar água, mas também é importante manter esses reservatórios limpos e fechados”, orienta a gestora Tatiana Belmonte

 

Fonte Repórter MT

Foto Reprodução

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *