Guedes determina congelamento salarial de servidores por um ano e meio

Screenshot_20200430-223406_Facebook

Estados e municípios do país seguem à espera de repasses federais para recompor a queda drástica de receita, em especial de ISS (nas prefeituras) e ICMS (nos governos estaduais), em decorrência do isolamento e outras medidas de combate à covid-19.

O Senado deve votar no sábado o projeto de ajuda emergencial, com desembolso de R$ 89,6 bilhões pela União. Mas o texto ficou parado há mais de uma semana na Casa, diante da resistência do governo federal à proposta.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, critica a liberação de recursos sem contrapartidas aos entes, mesmo diante da pandemia. E negocia com o Senado a inclusão da obrigatoriedade de congelamento salarial de servidores por um ano e meio. Além disso, Guedes defende a redução do auxílio. Há possibilidade de ser em torno de R$ 50 bilhões.

Hoje, Guedes chegou a declarar que o Executivo federal está sendo “generoso” com os governadores na proposta de auxílio emergencial.

“A União cedeu tudo e os governadores ganharam duas vezes. Primeiro, porque estão recebendo dinheiro. Segundo porque não terão que dar o aumento. O governo, de novo, está sendo generoso e estendendo a mão para a federação”, declarou Guedes.

 

Fonte O Dia

Foto Reprodução

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *