Mato Grosso irá receber R$ 1 bilhão por mês de auxílio do Senado

Screenshot_20200503-201027_Facebook

O plenário do Senado aprovou, na noite deste sábado (2), o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus (PLP 39/2020), que prestará auxílio financeiro de R$ 125 bilhões a estados e municípios para combate à pandemia da covid-19. O valor inclui repasses diretos e suspensão de dívidas. Foram 79 votos favoráveis e um voto contrário. O tema segue para a Câmara dos Deputados.

 

Mato Grosso recebeu cerca de R$ 7 bilhões de maneira direta nos cofres públicos do Estado. O valor recebido por Mato Grosso será transferido mensalmente no valor de R$ 1 bilhão, referentes aos meses de abril a outubro deste ano.

 

Segundo o secretário de Fazenda, Rogério Gallo, o auxilio não impede possíveis problemas com o pagamento salarial dos servidores, pois além da ajuda, o Estado terá que criar condições para a retomada da atividade econômica. “Se tivermos perdas sucessivas de arrecadação durante muito mais tempo, pode ser insuficiente”, afirmou.

 

Pacotão Covid-19

O programa vai direcionar R$ 60 bilhões em quatro parcelas mensais, sendo R$ 10 bilhões exclusivamente para ações de saúde e assistência social (R$ 7 bi para os estados e R$ 3 bi para os municípios) e R$ 50 bilhões para uso livre (R$ 30 bi para os estados e R$ 20 bi para os municípios).

 

Além disso, o Distrito Federal receberá uma cota à parte, de R$ 154,6 milhões, em função de não participar do rateio entre os municípios. Esse valor também será remetido em quatro parcelas.

 

Além dos repasses, os estados e municípios serão beneficiados com a liberação de R$ 49 bilhões através da suspensão e renegociação de dívidas com a União e com bancos públicos e de outros R$ 10,6 bilhões pela renegociação de empréstimos com organismos internacionais, que têm aval da União.

 

Os municípios serão beneficiados, ainda, com a suspensão do pagamento de dívidas previdenciárias que venceriam até o final do ano. Essa medida foi acrescentada ao texto durante a votação, por meio de emenda, e deverá representar um alívio de R$ 5,6 bilhões nas contas das prefeituras. Municípios que tenham regimes próprios de previdência para os seus servidores ficarão dispensados de pagar a contribuição patronal, desde que isso seja autorizado por lei municipal específica.

 

O auxílio foi aprovado na forma de um texto apresentado pelo relator, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), e que substitui a proposta original enviada pela Câmara (PLP 149/2019). Dessa forma, o Senado, como autor do projeto de lei (PLP 39/2020), terá a palavra final sobre o assunto — ou seja, caso os deputados promovam mudanças, elas terão que ser confirmadas pelos senadores.

 

Fonte Muvuca Popular

Foto Reprodução

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *