“Quem invadir hospital para filmar leitos em MT vai preso”, diz secretário

Screenshot_20200616-230911_Facebook

Quem invadir hospital para filmar ou fotografar leitos públicos em Mato Grosso, fiscalizando se estão mesmo ocupados por pacientes com Covid-19, seguindo orientação do presidente da República, Jair Bolsonaro, será preso. A afirmação foi feita pelo secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, em live nesta manhã (16), sobre a pandemia. Pela internet, no domingo (14), Bolsonaro se dirigiu aos seus apoiadores pedindo que atuem como fiscais: “Se tem um hospital de campanha perto de você, tem um hospital público, arranja uma maneira de entrar e filmar”.

O secretário considerou a fala do presidente “totalmente desproposital”, gerando risco de contágio e agressão a pacientes e servidores, além dos próprios ativistas. “Isso é altamente reprovável”.

“Não concordo com invasão de hospital nem fora da pandemia quanto menos em momento de infecção altamente contagiosa. Isso não vai ocorrer nos hospitais daqui e quem forçar fazer isso vai ser preso, porque tem lei que proíbe e é para segurança das pessoas. Inclusive, não são permitidas nem visitas aos pacientes”, reagiu o secretário.

A live do presidente repercutiu no mundo jurídico. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, criticou Bolsonaro e disse, através das redes sociais, que isso é incitação. “Invadir hospitais é crime, estimular também. O Ministério Público deve atuar imediatamente. É vergonhoso, para não dizer ridículo, que agentes públicos se prestem a alimentar teorias da conspiração, colocando em risco a saúde pública”. Outros juristas consideram que o presidetnte cometeu pelo menos três crimes: desrespeitar determinação epidemiológica em momento de infecção grave, incitação e apologia ao crime. 

Na mesma live, Bolsonaro também insinuou que governadores e prefeitos, para criar pânico, estejam aumentando, propositalmente, estatísticas da pandemia.

Sobre isso, Figueiredo ressaltou que é vice-presidente do conselho nacional que articula todos os secretários de saúde dos estados brasileiros e é de comum acordo não camuflar nem omitir informações de interesse público, dando total transparência aos dados. Ele também cita o boletim epidemiológico estadual diário como um esforço de transparência, dando ampla publicidade aos dados repassados pelos municípios.

Fonte RD News Foto Reprodução

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *