Jardim Cuiabá e São Judas Tadeu fecham P.A. após lotação por casos de Covid-19

8a3df2251f74a7596b129979239d91ef

Complexo Hospitalar Cuiabá e Hospital São Judas Tadeu, na capital, deixaram de receber pacientes no Pronto-Atendimento (PA) nesta terça (16). Motivação é a alta procura para atender casos suspeitos e confirmados de Covid-19. Complexo Hospitalar deve receber novos pacientes só a partir de quarta (17), enquanto São Judas Tadeu não tem perspectiva de retorno.

O pronto-atendimento do Complexo Hospitalar Cuiabá, mais conhecido como Hospital Jardim Cuiabá, fechou hoje (16) depois da alta procura para atender casos suspeitos e confirmados da Covid-19 (a doença causada pelo coronavírus). A previsão é que ele esteja aberto novamente já nesta quarta (17). A unidade passa por reestruturação e abertura de novos leitos.

Após o colapso na rede SUS de atendimento, vagas em unidades particulares estão cada vez mais dificieis de serem encontradas. A taxa de ocupação das UTIs privadas é de 96,4%, segundo números organizados pelo Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso (Sindessmat), desta segunda (15).

As vagas nos leitos de enfermaria também estão acabando e, de acordo com o sindicato, o número de ocupação nesses leitos é de 96,6%.

Segundo a assessoria de imprensa do Hospital Jardim Cuiabá, a administração reconhece a alta demanda e procura de pacientes com quadros sintomáticos da Covid-19. Eles viram necessidade para fechar o PA para reestruturar os leitos atuais, inclusive com novas UTIs, para abri-la nesta quarta.

Por meio de nota, São Judas informou que os retornos continuarão sendo atendidos e os exames de tomografia e laboratoriais continuarão sendo realizados normalmente.

“O Sindessmat reforça que alguns hospitais ainda possuem capacidade de ampliação do número de leitos, e neste momento, em um esforço extra, as entidades estão em processo de aquisição de novos equipamentos para aumentar o número de vagas e ampliar a capacidade de atendimento dos pacientes com a Covid-19”, reforça posicionamento do Sindessmat.

No SUS, a taxa de ocupação de leitos de UTI chega a 94,7%. Foram 86 mortes nas últimas 24 horas, segundo dados do boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES). Foi o maior recorde de óbitos durante toda a pandemia em Mato Grosso.

Fonte: RD News

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *