Câmara não descarta CPI, afastamento e cassação de mandato da prefeita de Barão

Camara-de-Barao

Com uma oitiva já realizada, quando ficou constada indícios de irregularidades, a maioria dos vereadores da Câmara Municipal de Barão de Melgaço, estuda acionar o procurar do município, ou até mesmo a prefeita Margareth Gonçalves, para prestar os devidos esclarecimentos na Casa de Leis.

O presidente da Câmara Municipal de Barão de Melgaço, Francisco Silva, popularmente conhecido como “Denas”, disse que os indícios apontam para tal irregularidade, já que existem registros de pagamentos, entre os meses de março e abril de 2021, para o assessor técnico denominado de Antônio Cardoso Moraes de Souza, porém até o momento, não existem comprovações do exercício da função.

De acordo com informações de bastidores, até os vereadores considerados da “Base Aliada” da prefeita Margareth Gonçalves, confirmaram durante a oitiva com o ex-secretário de habitação, Naldino Padilha Gonçalves, que não tinham visto, o assessor desempenhando as devidas funções no município.

“Estaremos trabalhando para apuras as denúncias, sendo constatas as irregularidades, daremos início as providências para punir os culpados, como representante do povo, temos que ter compromisso e seriedade com recurso público, não temos que trabalhar por A ou B, precisamos atender as necessidades da população de Barão”, ressaltou Benas.

O presidente da Câmara, ainda falou das punições pela irregularidade de improbidade administrativa, que se for comprovada, cabe ao afastamento e até cassação do cargo dos infratores.

Para as próximas semanas, está programada a continuidade dos trabalhos de investigações, como também, é esperada a presença do procurador do município, ou até mesmo da prefeita Margareth na Câmara municipal, onde deverão prestar os devidos esclarecimentos.

Benas também falou que hoje, dos nove vereadores eleitos pelo povo de Barão de Melgaço, seis (06) fazem parte da base aliada da prefeita, e quatro (03) formam o bloco de oposição.

“Com este cenário, se as investigações não seguirem a diante, iremos procurar respaldo da Justiça, através do Ministério Público Estadual e Federal, já que se trata também de recursos nacional”, ressaltou o vereador e presidente da Câmara, Benas.

Fonte: O Mato Grosso / Foto: Reprodução

 

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *