Corpo de mulher é achado com rosas, aliança nas mãos e frase escrita na testa

a29cb2a02add4823a8b5f2e7253d41d4

Um crime brutal chocou a população de Contenda, na Região Metropolitana de Curitiba, na última sexta-feira (18). Elisangela Martins, uma auxiliar de cozinha de 34 anos, foi encontrada morta a facadas, na cama da casa onde morava, no bairro Cionek. A vítima foi deixada com rosas e uma aliança nas mãos, e ainda uma frase escrita na testa, feita com caneta: “morreu por confessar uma traição”.

O suspeito de cometer o crime, ex-marido de Elisangela, Rudinilsom Martins, de 35 anos, foi preso no sábado (19) e cometeu suicídio dentro da delegacia, na Lapa, momentos antes de prestar depoimento. O delegado responsável pelo caso, Vinícius Maciel, contou que, ao chegar, o suspeito se identificou como integrante de uma facção criminosa e, por isso, foi deixado sozinho em uma cela. Quando os agentes foram buscá-lo para ser interrogado, encontraram Rudinilsom enforcado.

De acordo com o relato de familiares, Elisangela e Rudinilsom eram primos de primeiro grau, já haviam se relacionado anteriormente e se reencontraram há cerca de um ano, pelas redes sociais. Desde então, a união era marcada por brigas e discussões.

A família da vítima percebeu que algo estava errado já na quinta-feira (17), quando o homem foi até a casa da cunhada de Elisangela e deixou o filho da mulher, um menino de cinco anos, no local, afirmando que iria levar a ex-esposa para um motel naquela noite. Os familiares acreditam que, neste momento, Elisangela já havia sido assassinada, pois o filho dela contou para a avó que pediu para que Rudinilsom não matasse a sua mãe. Ainda não há confirmação se a criança presenciou o homicídio.

Com a desconfiança e o sumiço de Elisangela, familiares chamaram a polícia, que foi até a residência da vítima na sexta-feira (18). Da janela, os agentes avistaram o corpo no quarto e arrombaram a porta da casa para entrar. Com relação à frase escrita na testa da vítima, uma amiga da vítima relatou que Elisangela jamais cometeria traição: “ela nunca ia fazer isso, ela era uma guerreira, ela não merecia isso, sempre cuidava do filho dela”, disse a mulher, emocionada.

Segundo o delegado responsável pelo caso, o crime chamou a atenção pela frieza e crueldade.

“A vítima estava com uma aliança em cima da mão, rosas em outra mão, ele acabou escrevendo no rosto da vítima em caneta, ‘morreu porque traiu’, além da brutalidade do crime. Faz seis anos que eu trabalho aqui e essa foi uma das situações de maior violência que eu já vi com relação à quantidade de golpes que foram dados na vítima”.

Fonte: RepórterMT / Foto: Reprodução

Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *