Categoria: Artigo

Redacao19 de fevereiro de 2020
Jonas-Pinheiro.jpg

3min00

Na data de hoje, 19 de fevereiro, o Brasil perdeu um dos seus maiores líderes, o Senador Jonas Pinheiro. Tive a honra e o privilégio de iniciar minha vida pública ao lado deste, que foi meu parente, companheiro, compadre e amigo. Mais que um grande mestre, Jonas era o retrato da política feita para melhorar a vida das pessoas.

Defensor nato do homem do campo, costumava dizer que “o povo é simples e quer coisas simples. Quer alimento, quer vestuário e deseja a moradia; quer também escolas e hospitais, mas antes de tudo, o povo quer trabalho”. Defendo, com total convicção, que Jonas foi um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento e progresso de Mato Grosso.

Hoje, 12 anos após sua partida, relembro com imensa saudade daquele homem discreto e simples que me incentivou a entrar na política. Do homem que me deixou como legado ensinamentos que me inspiram até hoje a seguir trabalhando dia e noite pela nossa gente.

Com Jonas aprendi a não esquecer o lugar de onde vim, a terra amada onde nasci e por isso tenho tanto orgulho de ser o prefeito de Cuiabá. Foi acompanhando a vida política de Jonas que entendi que para ser gestor é preciso vivenciar o povo, é preciso ir aos bairros, valorizar o movimento comunitário, estar junto das pessoas, escutar mais do que falar e agir mais (muito mais) do que apenas prometer.

Mais de uma década após sua partida, Jonas tem muito a ensinar sobre humildade aos que escolhem servir ao povo. Um homem que foi da Baixada Cuiabana ao Senado, que circulou entre autoridades, mas que fazia questão de estar com os mais carentes, que colocou seu talento como gestor e conciliador a serviço das pessoas, sem distinção.

O legado de Jonas vive no agronegócio forte, no homem do campo, vive em cada ação da minha gestão humanizada, em nossa memória e principalmente em nossos corações. Viva Jonas!

 

Artigo de Emanuel Pinheiro Prefeito de Cuiabá


Redacao18 de fevereiro de 2020
MQ-LEV.jpg

5min00

A sabedoria dos árabes ensina que adversidades podem criar grandes oportunidades, circunstância que a realidade, por vezes, confirma tanto na nossa vida pessoal como na existência em sociedade. Problemas nem sempre são obstáculos, e podem representar oportunidade de superação, evolução, e as ocorrências negativas se transformam no começo de grandes empreendimentos.

Olhando por essa ótica, em Santo Antônio o dilema da divisão territorial inspirou a articulação da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), para anular a Lei Estadual 10.403/2016, aprovada pela Assembleia Legislativa. Ressalte-se, lei extremamente prejudicial ao nosso município, que perderia parte de seu território. Devido ao desrespeito gritante na aprovação da Lei, sem a realização de um plebiscito, como determina a Constituição Estadual, restou ao Tribunal de Justiça do Estado (TJ-MT), tornar nulos seus efeitos, por prática de inconstitucionalidade, atendendo a ADI por nós ajuizada junto àquela corte.

Afora a vitória no Tribunal de Justiça garantir a integralidade territorial do município, terminou por salvaguardar mais outra preciosa conquista: a construção do Hospital Júlio Muller na extensão territorial de Santo Antônio do Leverger. Como os fatos demonstram, afora outros prejuízos, não fosse a luta que travamos, nosso município perderia o domínio do território sobre a área na qual se localiza a construção do Hospital Júlio Muller, na rodovia Palmiro Paes de Barros, que liga Santo Antônio à Cuiabá.

Assim sendo, além dos frutos colhidos na luta pela anulação da lei que previa a perda de parte do território, Santo Antônio será premiado com a edificação de uma obra de elevado porte e de suma importância para sua população e habitantes da região, que também vai impactar na arrecadação mensal de aproximadamente meio milhão de reais a mais para a prefeitura, um total estimado de cinco milhões por ano, como mostram estimativas preliminares.

Na data de 4 de fevereiro último o governo do Estado publicou o edital pela retomada da obra do novo Hospital Universitário Júlio Muller, com prazo para a licitação ocorrer em 13 de abril, com uma previsão de que o complexo seja entregue em três anos e meio. O novo hospital terá 228 leitos para internação, 63 leitos de UTI, 12 centros cirúrgicos, 85 consultórios e 45 salas de exame, com atendimento 100% pelo Sistema SUS.

Nossa ação ocorreu pela necessidade de barrar a injustiça de uma medida, que não bastasse mutilar o território de Santo Antônio, traria prejuízos irreparáveis para nossa gente, como estamos constatando que perderíamos uma obra da magnitude do Hospital Júlio Muller, devido a sua construção numa área que perderíamos com a redivisão territorial.

E foi para defender nossa gente e os interesses maiores de Santo Antônio, que buscamos o apoio do deputado João Batista do PROS-MT, que compreendendo a injustiça e ilegalidade contra nossa cidade, sem hesitar abraçou corajosamente a luta para que nosso município não perdesse parte do seu território.

Em certa oportunidade, ao ser indagado sobre o que ele considerava mais essencial na vida, o sábio respondeu: “tomar atitude diante dos  problemas”. Pois, por causa da indignação com a mutilação do território de Santo Antônio, tomei a “atitude” de lutar para barrar uma injustiça contra nosso município e contra nosso povo. E para nossa felicidade, enquanto  um filho que ama sua terra, o enfrentamento trouxe resultados positivos para nossa cidade e nossa gente.

Por: Marcelo Queiroz

Marcelo Queiroz é ex-vereador, ex-secretário de infraestrutura de Santo Antônio de Leverger, Bacharel em Direito e atualmente é assessor parlamentar na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.


Redacao17 de fevereiro de 2020
artigo-arnaldo.jpg

8min00

Com 66 anos de existência, na condição de município, Barão de Melgaço está a exigir significativas mudanças na administração municipal. Mudanças em relação ao modelo de desenvolvimento e às práticas da gestão municipal, haja vista que nosso município está a demandar uma administração, verdadeiramente, comprometida com seu desenvolvimento econômico e social, o que requer visão de futuro e uma gestão eficiente.

Visão de futuro consiste na prefeitura definir ações administrativas que busquem viabilizar o desenvolvimento econômico, potencializando a exploração adequada do manancial de riquezas existentes em Barão de Melgaço.

Para o desenvolvimento, em sua plenitude, da Agricultura Familiar que cumpre importante papel na economia do nosso município, cabe à prefeitura fazer  gestão junto ao Incra e Intermat, na busca pela regularização fundiária, pois somente assim as famílias terão acesso ao financiamento oferecido pelo Pronaf. Do mesmo modo, a prefeitura precisa interceder para que a Empresa Mato-Grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), preste assistência técnica aos nossos agricultores. Por outro lado, os agricultores e pecuaristas, não podem viver de incertezas, e visando garantir segurança cumpre à Prefeitura providenciar a manutenção permanente das estradas vicinais, que ligam a zona rural à sede do município em Barão de Melgaço, porque assim nossos produtores rurais contarão com condições de escoar seus produtos com tranquilidade.

Visão de futuro representa concretizar um desenvolvimento social que beneficie nossa querida cidade com assistência digna à saúde, educação pública de melhor qualidade, estrutura para a pratica de atividades esportivas e de lazer, saneamento básico com rede de esgoto e água tratada, e asfaltamento das ruas do município de Barão de Melgaço.

E não podemos esquecer do grande potencial de Barão de Melgaço no setor de turismo, apesar do cansaço e descredito resultante das muitas promessas não cumpridas. Contando com localização no Pantanal Mato-grossense, considerado como detentor da maior biodiversidade do mundo, Barão de Melgaço dispõe de uma riqueza natural, dádiva da natureza como poucas regiões do Planeta possuem. E precisamos ter claro que uma coisa é a incompetência, descaso e inoperância dos homens públicos, e que outra são as riquezas do Pantanal e da biodiversidade de Barão de Melgaço, que também é um dos municípios do Vale do Rio Cuiabá, outra fonte de muitas riquezas. Se nossas imensas riquezas no setor de turismo são mal exploradas,  isso é fruto da inexistência de visão e de uma política correta, o que precisa ser urgentemente mudado.

Segundo dados da Organização Mundial de Turismo (OMT), o turismo movimenta US$ 919 bilhões ano (R$ 3,676 trilhões pelo câmbio médio), e deve gerar 120,4 milhões de empregos no mundo e 2,8 milhões no Brasil nos próximos anos, para que se tenha ideia mais precisa da importância do setor para a economia.

Entretanto, na contramão da existência de tantas potencialidades, em Barão de Melgaço o baixo crescimento da população é fator revelador de estagnação econômica, como confirmam os indicadores econômicos.

Nos resultados levantados pelo Estudo “Indicadores das Desigualdades Socioeconômicas de Mato Grosso”, realizado pela Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Barão de Melgaço aparece na 139ª posição entre os 141 municípios do Estado, à frente apenas de Novo Santo Antônio e Campinápolis.

Um total de 42,9% da população do município sobrevive com renda média familiar de 1,5 salário mínimo (R$ 522,50 por pessoa) segundo a pesquisa PNAD/Contínua IBGE, o que somado ao grande número de famílias assistidas pelo Programa Bolsa Família, desenha um quadro social caótico, marcado pela baixa renda e pobreza.

De uma população de 8.564 habitantes (Pnad/Continua IBGE), apenas 5,9% dispõe de empregos com carteiras assinadas, o que corresponde ao reduzido número de 505 pessoas.

As estatísticas demonstram que a Pecuária é relativamente pequena em relação aos municípios de Mato Grosso (160 mil cabeças de gado), Estado que detém o maior rebanho do País, com 30 milhões de cabeças. A indústria praticamente inexiste, sendo responsável por apenas 8% da atividade econômica. Na ponta da cadeia, o comércio e serviços patinam, sobrevivendo as duras penas, sem que os empreendedores de ambos os setores possam investir na expansão de seus negócios.

Contando com imensa extensão territorial de 11.183Km2, parte localizado no Pantanal Mato-grossense, terras agricultáveis, condições climáticas favoráveis, farta água doce de seus rios caudalosos, e um povo ávido por trabalhar, produzir e construir a prosperidade do município, não se justifica mais a situação em que se encontra o nosso querido município de Barão de Melgaço.

Com dedicação, trabalho e compromisso, vamos construir o desenvolvimento econômico e social de Barão de Melgaço, gerando prosperidade e bem-estar para nossa gente, que já está cansada de tanto esperar.

 

 

Por: Arnaldo Dias Gonçalves

 

Arnaldo é presidente da Associação dos Filhos e Amigos de Barão de Melgaço e Pequeno Empresário no setor de Comércio, Turismo e Transporte.