Categoria: Dia-a-dia

Redacao7 de julho de 2020
Screenshot_20200707-211954_Gallery.jpg

5min00

O Procon Estadual alerta a população que começou a vigorar na última quarta-feira (01/07) o reajuste tarifário anual aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para Mato Grosso. De acordo com a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (AGER-MT), as faturas podem ter uma elevação média de +2,47%, no caso de empresas. Para os consumidores residenciais, o reajuste será de +1,50%.

A revisão da tarifa de energia elétrica é feita e aprovada anualmente pela ANEEL. Em Mato Grosso, o aumento que normalmente ocorre em abril, tinha sido postergado por 90 dias pela agência reguladora, tendo em vista a pandemia do coronavírus (Covid-19).

Os consumidores que tiverem dúvidas ou se sentirem lesados com os novos valores que virão na fatura a partir do próximo mês podem entrar em contato direto com a concessionária de distribuição de energia elétrica que atende a população de Mato Grosso. A Energisa dispõe de canais de atendimento alternativos para atender as demandas dos consumidores e também registrar reclamação, como o telefone 0800 64 64 196.

Os consumidores que não tiverem suas demandas de reclamações e dúvidas resolvidas pela distribuidora também podem entrar em contato com a Ouvidoria da AGER-MT pelos diversos canais de atendimento disponibilizados, entre eles, o telefone 0800 727 0167 ou WhatsApp (65) 98435-7458. A AGER-MT é responsável por desenvolver, por delegação da ANEEL, os procedimentos de fiscalização dos serviços públicos de distribuição e geração de energia elétrica no Estado de Mato Grosso, além da atividade de Ouvidoria Setorial e Mediação Administrativa. Algumas atividades, como a definição de normas e homologação de tarifas continuam sendo realizadas de forma centralizada pela ANEEL.

Outra alternativa para os consumidores registrarem sua reclamação contra a Energisa é o Consumidor.gov.br . Disponível aos consumidores desde 2014, a plataforma de reclamação online tem sido o principal instrumento para os consumidores registrarem suas reclamações durante a pandemia. A Energisa tem cadastro ativo na plataforma desde setembro de 2019 para atender as demandas dos mato-grossenses.

A ferramenta proporciona a interlocução direta entre consumidores e fornecedores e funciona 24 horas por dia, nos sete dias da semana. O Consumidor.gov.br também possui uma versão de aplicativo que pode ser baixada na loja virtual de qualquer dispositivo móvel com android.

Tarifa social

O Procon lembra aos consumidores beneficiados com a Tarifa Social de Energia que a isenção na conta, prevista na Medida Provisória 950/2020, também encerrou no dia 30 de junho. Durante os meses de abril, maio e junho, devido à pandemia, o desconto havia sido ampliado para 100% no consumo até 220kw. Com o fim da MP, a partir de julho os consumidores beneficiados com a Tarifa Social voltarão a ter as reduções previstas na Lei 12.212/2010. Os descontos variam de 10% a 65%, de acordo com o consumo de energia. Saiba mais sobre a Tarifa Social aqui.

Fonte Gazeta Digital


Redacao2 de julho de 2020
Screenshot_20200702-225034_Facebook.jpg

12min00

Em entrevista exclusiva ao FOLHAMAX, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), revelou que .irá revogar dois artigos do decreto nº 7.975/2020,  emitido na tarde de hoje impondo medidas aiinda mais restritivas na circulação de pessoas como forma de contenção ao avanço do novo coronavírus. Os trechos a serem revogados são os que prevêem o rodízio de carros, de acordo com o número da placas, e também de entrada em estabelecimentos essenciais, de acordo com o final do CPF. 

No decreto assinado a tarde, a prefeitura estipulou que nos dias pares poderiam circular na cidade apenas veículos com placas finais 0, 2, 4, 6 e 8. Já no dias ímpares, a permissão era para os carros 1, 3, 5, 7 e 9. A exceção seria carros que desenvolvem serviços essenciais – ambulâncias, funerárias e outros – e transporte de passageiros – ônibus, táxis e por aplicativos.

Já em relação à entrada nos estabelecimentos essenciais – bancos, lotéricas e supermercados -, o critério para entrada seria o final do CPF. Os documentos com final de 0 a 4 poderiam entrar às segundas, quartas e sextas-feiras. Já os CPFs com final de 5 a 9, poderiam entrar nestes estabelecimentos às terças, quintas e sábados.

O decreto gerou inúmeras críticas da população e de segmentos da sociedade nas redes sociais. Entidades empresariais chegaram a marcar protesto nesta sexta-feira em frente ao Palácio Alencastro.

RECUO  

Segundo o prefeito, a revogação desses itens ocorre porque a sociedade foi pega de surpresa. Ele admitiu que não houve um bom diálogo com os segmentos da sociedade para definir as medidas.

Emanuel contou que, ao longo da próxima semana, irá discutir as medidas e, aí sim, definir quais e como elas serão tomadas. “As vezes é bom darmos um passo atrás, para depois dar dois ou três a frente”, disse.

O prefeito adiantou que os demais itens do decreto estão mantidos. Entre eles, a antecipação do toque de recolher, que iniciará às 20h00. A circulação de pessoas está proibida até as 5h00. Ele começa a valer nesta sexta-feira (3).

Além disso, serviços de delivery, que estavam ocorrendo por 24 horas, serão itnerrompidos a meia-noite. Outra medida que passa a valer é o funcionamento de 100% da frota de ônibus.

O prefeito também mantém a exigência de 100% dos caixas funcionando em supermercados, casas lotéricas e agência bancárias.

Veja outros itens que entrarão em vigor com o novo decreto da prefeitura que entram em vigor já nesta sexta-feira:

Serviço público

Em seu novo decreto, o prefeito Emanuel Pinheiro mantém os servidores públicos municipais em regime de teletrabalho (home office), o qual será definido pelo gestor da respectiva Secretaria Municipal de lotação.

O teletrabalho não se aplica aos servidores da área fim da Saúde; das áreas de fiscalização das Secretarias Municipais de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano Sustentável, Mobilidade Urbana e Ordem Pública; àqueles que exerçam atribuições em serviços essenciais, inclusive os da área meio que sejam necessários ao suporte das atividades fins essenciais e aos servidores públicos que exerçam a função de vigilante, salvo se componente do grupo de risco.

Continuam suspensos os atendimentos presenciais aos cidadãos nos órgãos públicos municipais, inclusive na Procuradoria Fiscal da Procuradoria-Geral do Município de Cuiabá, Centro Integrado de Atendimento ao Contribuinte (CIAC) e Lojas de Atendimento ao Cidadão (LACs) da Secretaria Municipal de Fazenda e Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano Sustentável. Estes deverão continuar disponibilizando meios eletrônicos e/ou telefônicos para possibilitar o acesso pelos cidadãos aos serviços públicos ofertados.

O decreto ainda recomenda que o serviço público Federal e Estadual executados em Cuiabá, inclusive aqueles integrantes do Poder Judiciário, Poder Legislativo, Ministério Público, Defensoria Pública e Tribunal de Contas também adotem tais medidas.

Hotéis, hospedagem 

Durante o período de vigência do novo decreto, está proibida a utilização de refeitórios e restaurantes nos hotéis e hospedarias, permitida tão somente a disponibilização de alimentação mediante serviço de quarto.

As atividades de hotelaria e hospedagem devem funcionar observando medidas de biossegurança como sinalização no piso nos locais em que exigem a formação de filas, com distanciamento de 1,5m; disponibilização constante de álcool em gel 70% e/ou produtos similares de esterilização; uso obrigatório de máscara de proteção, pelos funcionários, colaboradores, prestadores de serviço e clientes; afixação de cartazes informativos e educativos referentes às medidas de prevenção da disseminação do novo coronavírus em lugar visível ao público; reforço da rotina de limpeza de toda a extensão dos empreendimentos; limpeza reiterada do sistema de ar condicionado, bem como manutenção de portas e/ou janelas abertas visando a constante circulação e renovação do ar natural; higienização da superfície das máquinas eletrônicas de pagamento via cartão de débito ou crédito após cada uso, bem como em todos os demais equipamentos utilizados no atendimento dos clientes, de forma a se evitar a transmissão indireta.

Motéis

Está suspenso o funcionamento de motéis localizados no Município de Cuiabá, entre 06 e 20 de julho.

Shoppings centers 

Nos moldes da decisão liminar proferida pelo juiz Luiz Leite Lindote, da 1º Vara Especializada da Fazenda Pública de Várzea Grande, fica vedada a abertura ao público dos shoppings centers e congêneres, permitida tão somente o funcionamento das atividades essenciais mediante sistema delivery.

Transporte coletivo municipal

No caso do transporte coletivo municipal, a novidade é que a partir de sexta-feira (3), o embarque dos passageiros nos ônibus somente será permitido quando estes portarem o cartão para pagamento da tarifa com saldo suficiente, sendo que a recarga do mesmo deverá ocorrer de forma prévia ao embarque. A medida visa evitar aglomeração na parte da frente dos ônibus, que é menos espaçosa.

Continua a determinação de funcionamento com a totalidade da frota de ônibus. As empresas devem observar todas as medidas de biossegurança já impostas, como disponibilização de álcool em gel 70% para utilização pelos usuários e funcionários das empresas prestadoras do serviço; uso obrigatório de máscara de proteção, pelos funcionários das empresas prestadoras do serviço, bem como pelos usuários; higienização de todos os veículos em todas as viagens na respectiva parada final; transporte tão somente de passageiros sentados.

Estabelecimentos de ensino

O decreto mantém suspensas as atividades presenciais nas unidades de ensino públicas e privadas. É permitida a disponibilização de vídeo-aulas mediante gravação nas dependências das escolas e faculdades, bem como a disponibilização de apostilas e demais materiais pedagógicos aos alunos mediante entrega na modalidade “drive-trhu/take-out”, obedecidas todas medidas de biossegurança.

Entregas e retiradas de produtos essenciais

Está permitida a comercialização de produtos oriundos das atividades essenciais pelo sistema de entrega e retirada de produtos (delivery e passe e pegue), desde que o ato de entrega seja precedido de todas as recomendações preconizadas pelos órgãos de saúde quanto à necessidade de higienização do produto.

Para fins de enquadramento da atividade econômica como essencial, será considerada a atividade principal constante no respectivo Alvará de Localização e Funcionamento do estabelecimento. 

Fonte: Folhamax/Foto Reprodução


Redacao2 de julho de 2020
Screenshot_20200702-222032_Facebook.jpg

5min00

A desobediência ao rodízio de automóveis na Capital, que entra em vigor na próxima segunda (6) e dura até 20 de julho, resulta em multa no valor de R$ 130 e a perda de 4 pontos na CNH. A medida faz parte do novo decreto municipal, anunciado na tarde desta quinta (02),

De acordo com o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), as multas serão aplicadas por meio das câmeras de monitoramento instaladas nas principais vias da cidade. Os agentes da secretaria municipal de Mobilidade Urbana (Semob), chamados de Amarelinhos, vão atuar de forma orientativa

Os veículos com placa final 1, 3, 5, 7 e 9 poderão circular nos dias ímpares e os carros com placa final 0, 2, 4, 6 e 8 poderão andar pelas ruas nos dias com final par.

A medida vale de segunda à sábado, excluindo domingos e feriados. Ambulâncias, veículos de deliverys – devidamente identicados, táxis e carros de aplicativos estão livres do rodízio.

Durante o perído de vigência do rodízio de veículos, Emanuel determinou que 100% da frota de coletivos urbanos circulem na Capital. Segundo o emedebista, essa é a maneira de amenizar os efeitos da medida.

Restrição por CPF

O decreto nº 7.9752020 também estabelece limites no atendimento presencial realizado, exclusivamente, por bancos, lotéricas, supermercados e distribuidoras da bebidas. A medida passa valer a partir da próxima segunda (06) e segue até o dia 20 de julho. Nesse período, o critério utilizado para o cumprimento será último algarismo do CPF de cada cidadão. 

Sendo assim, o atendimento ao público será feito da seguinte forma: nas segundas, quartas e sextas, serão atendidos cidadãos com CPF de final 0, 1, 2, 3 e 4. Já nas terças, quintas e sábados a liberação abrange aqueles que possuam no documento os últimos algarismos 5,6,7,8 e 9. 

“Essa é uma regra que se aplica exclusivamente para o atendimento dessas atividades. Nossa fiscalização unificada identificou que esses estabelecimentos são os que apresentam maiores incidência da aglomeração de pessoas e isso tem se tornado um preocupante foco de propagação da Covid-19. Nossa fiscalização continuará trabalhando para garantir que tudo funcione de acordo com o determinado”, explica o prefeito, em live nesta quinta (02). 

O decreto determina ainda que, para possibilitar o atendimento, o cidadão deverá apresentar documento oficial com foto e que identifique o seu número de CPF. Além disso, os estabelecimento deverão, obrigatoriamente, reservar a primeira hora de atendimento exclusivamente para idosos e demais pessoas integrantes do grupo de risco, ficando ainda proibido o acesso de crianças nesses locais. 

Por fim, o documento municipal institui que as atividades referidas disponibilizem 100% dos caixas/guichês para atendimento dos clientes durante o horário de funcionamento

A medida  não se aplica ao horário do toque de recolher que, desta sexta (3) até o dia 20 de julho, passa a vigorar das 20h às 05h. A fiscalização continuará sendo efetuada pela equipe formada pelas secretarias de Ordem Pública, Mobilidade Urbana, e Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano Sustentável. Em caso de descumprimento, as sanções são aplicadas as empresas.

Fonte RD News (Com Assessoria)/Foto Assessoria.


Redacao2 de julho de 2020
Screenshot_20200702-221235_Chrome.jpg

3min00

Assinado pelo prefeito Emanuel Pinheiro nesta quinta-feira (02), o decreto nº 7.975 estabelece limites no atendimento presencial realizado, exclusivamente, por bancos, lotéricas, supermercados e distribuidoras da bebidas. A medida passa a valer a partir da próxima segunda-feira (06) e segue até o dia 20 de julho. Nesse período, o critério utilizado para o cumprimento será último algarismo do CPF de cada cidadão.

Sendo assim, conforme determinado no art. 6º, nos estabelecimentos descritos o atendimento ao público será feito da seguinte forma: nas segundas, quartas e sextas-feiras o atendimento presencial pode ser ofertado ao cidadão detentor de CPF com final 0,1,2,3 e 4. Já nas terças, quintas-feiras e sábados a liberação abrange aqueles que possuam no documento os últimos algarismos 5,6,7,8 e 9.

“Essa é uma regra que se aplica exclusivamente para o atendimento dessas atividades. Nossa fiscalização unificada identificou que esses estabelecimento são os que apresentam maiores incidência da aglomeração de pessoas e isso tem se tornado um preocupante foco de propagação da Covid-19. Nossa fiscalização continuara trabalhando para garantir que tudo funcione de acordo com o determinado”, explica Pinheiro.

O decreto determina ainda que, para possibilitar o atendimento, o cidadão deverá apresentar documento oficial com foto e que identifique o seu número de CPF. Além disso, os estabelecimento deverão, obrigatoriamente, reservar a primeira hora de atendimento exclusivamente para idosos e demais pessoas integrantes do grupo de risco, ficando ainda proibido o acesso de crianças nesses locais.

Por fim, o documento municipal institui que as atividades referidas disponibilizem 100% dos caixas/guichês para atendimento dos clientes durante o horário de funcionamento. Tal medida, todavia, não se aplica ao horário do toque de recolher que, desta sexta-feira (3) até o dia 20 de julho, passa a vigora das 20h às 05h. A fiscalização do cumprimento do art. 6º continuará sendo efetuada pela equipe formada pelas secretarias de Ordem Pública, Mobilidade Urbana, e Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano Sustentável.


Redacao15 de junho de 2020
Screenshot_20200615-214152_Facebook-1.jpg

3min00

A Prefeitura de Cuiabá editou um novo decreto (n° 7.957) incluindo pessoas em situação de rua nas exceções do toque de recolher, em vigência deste o último sábado (13) no Município, e vedou qualquer medida de remoção, abordagem ou acolhimento compulsório. Apesar da medida, as quatro unidades de acolhimento da Capital seguem aptas a receber os moradores de rua durante esse período.

A própria condição de situação de rua já é uma violação dos direitos humanos dessas pessoas que, invisibilizadas pelos gestores públicos, não têm acesso a direitos fundamentais básicos como moradia e segurança, o que se agrava ainda mais num contexto de pandemia”, afirmou a defensora pública Rosana Monteiro, signatária da recomendação conjunta da Defensoria Pública de Mato Grosso (DPMT), Defensoria Pública da União (DPU), Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) e Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT).
 
O documento conjunto, enviado no dia 13 de junho, solicitava a publicação de um novo decreto incluindo as pessoas em situação de rua nas exceções previstas no artigo 6 do decreto municipal n° 7.956, de junho de 2020, além do repúdio a qualquer medida de remoção e acolhimento compulsório dos sem-teto.

Segundo a defensora, o decreto não protegia as pessoas em situação de rua, que não possuem casa ou abrigo para se recolherem, ao contrário, poderia colocá-las em situação de mais vulnerabilidade, já que não teriam condições de cumprir a ordem de recolhimento.
 
“Diante desse contexto, a Defensoria Pública do Estado, em conjunto com a DPU, MPE e OAB-MT fizeram recomendação ao prefeito visando a edição de novo decreto inserindo a população em situação de rua nas exceções à obrigação de recolhimento, bem como a proibição de qualquer medida de remoção ou acolhimento compulsório”, completou a coordenadora do Grupo de Atuação Estratégica em Defesa da População em Situação de Rua (Gaedic Pop Rua).

Fonte: Olhar Direto Foto: Reprodução


Redacao14 de junho de 2020
Screenshot_20200614-220732_Facebook-1.jpg

3min00

A primeira noite de fiscalização do cumprimento do toque de recolher em Cuiabá pôs fim a uma festa privada e abordou cerca de 50 pessoas que estavam em bares e restaurantes

Em vídeos, que circularam nas redes sociais, é possível ver como foi o trabalho dos militares e das equipes do município. Um evento privado e clandestino, em uma casa de festas, foi fechado durante a madrugada deste domingo (14), no Parque Geórgia. No registro dá para escutar o militar autuando, baseado no artigo 1268, ao proprietário do local.  Os responsáveis foram multados em R$ 609. (veja abaixo)

Ao  o secretário Municipal de Ordem Pública, coronel Leovaldo Sales informou que foi positivo o resultado da primeira noite de Operação Toque de Recolher. “Cerca de 30 a 50 pessoas foram abordadas e orientadas a ir para casa. O que foi bem recebido”, afirmou o secretário. 

A ação se deu após, o prefeito da Capital, Emanuel Pinheiro (MDB) decretar o toque de recolher de 13 a 28 de junho, quando fica proibida a circulação na cidade de 22h30 às 5h.

Segundo o secretário de Ordem Pública, a primeira noite da abordagem foi um sucesso, a maioria das ações foram em estabelecimentos comercias e, com clientes que estavam nos mesmos. “Não houve prisões, as pessoas foram receptivas e acataram as orientações”, explica Sales. 

Além disso, ele apontou que não houve nenhum incidente durante a ação conjunta da equipe de fiscalização da Prefeitura e da Polícia Militar (PM). 22 equipes trabalharam, dentre a região central, bairros Pedro 90, Popular, Jardim Imperial, CPA 3 e 4.

O secretário rebateu os rumores de suposto abuso de poder e descreveu sua equipe como um corpo de fiscalização altamente profissional. 

A Prefeitura da Capital deve divulgar o balanço da operação ainda neste domingo. 

Fonte Repórter MT


Redacao13 de junho de 2020
Screenshot_20200613-223733_Chrome.jpg

6min00

Com o toque de recolher que se inicia neste sábado (13), a partir das 22h30, em Cuiabá, a cidade deverá ser mapeada por barreiras de fiscalização. Para o cumprimento do decreto, agentes da prefeitura devem contar com o apoio da Polícia Militar. Conforme prevê o decreto estabelecido pelo prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), esta semana, diversas pastas vão atuar com grande rigor também nos bairros da Capital. Os que fugirem às determinações poderão ser conduzidos a delegacia, pagarem multa e ter o estabelecimento fechado, no caso do comércio.

O secretário de Ordem Pública, coronel Leovaldo Salles, falou de como será a atuação da fiscalização, durante entrevista nesta manhã de sábado e o rigor do trabalho. “Aqueles que forem encontrados descumprindo a medida receberão orientação e havendo a explícita resistência poderá ser feita a condução à delegacia. Igualmente, a partir das 22h30 estão suspensas todas as atividades comerciais e os eventos sociais”, revela.

A fiscalização não visa prender as pessoas, mas quando houver explícita resistência poderá ser feita a condução à delegacia. O estabelecimento que for flagrado funcionando pode ter penas que variam de uma multa no valor de R$ 609 até a suspensão do funcionamento. Já estão sendo instaladas barreiras fixas pela cidade, operadas pela Secretaria de Mobilidade Urbana e suas equipes móveis que irão receber as denúncias que vierem do Ciospe.

Em decreto, ficou determinado que o toque de recolher não visa penalizar as pessoas com multas ou prisão, mas funcionará com e propósito de proteger a saúde pública. “Penso que não havendo circulação de veículos e a prática comercial, as pessoas que moram nas ruas também não tem nenhum motivo para circularem pelas ruas”, comenta Salles.

Festas clandestinas poderão ser denunciadas para o Centro Integrado de Operações pelo 190, que serão atendidas por um servidor especificamente que repassará para as equipes de fiscalização. “Os pontos que vamos oferecer maior atenção são exatamente aquelas regiões que no período antes do toque de receber recebeu maiores denúncias ou onde segundo a vigilância sanitária acreditar que haverá maior número de contaminações”, acrescenta.

Secretaria de Ordem Pública, Secretaria do Meio Ambiente, Secretaria de Mobilidade Urbana e, agora, como parceiras a Secretaria de Assistencia Social e a de Comunicação Social.

Os veículos de delivery já são entendidos pela prefeitura como os de serviços essênciais e, segundo o secretário, eles terão excessões.

Entre as novas recomendações, seguem previstas as normas:

 A partir das 22h30 estão suspensas todas as atividades comerciais e os eventos sociais, com a proibição de circulação das pessoas! O estabelecimento que for encontrado em desobediência será autuado e enquadrado pela infração de causar risco a saúde pública (lei 004/92), com a pena que varia de uma multa de R$ 609 até a suspensão da atividade comercial;

O Plano de Ação prevê a intensificação da fiscalização nos bairros que até agora apresentaram maiores números de denúncias por descumprimento das medidas baixadas pelos decretos anteriores, e tbem nas regiões de maiores incidências de contaminação. Toda a operação será realizada por meio de força-tarefa das secretarias de Ordem Pública, Mobilidade Urbana e Meio Ambiente. Com apoio da Polícia Militar através do Termo de Cooperação entre o município e a secretaria de segurança pública do Estado.

 Uma cabine no Ciosp para atendimento às denúncias por meio do 190;

MPE foi oficializado do início das ações, assim como à Secretaria de Segurança Pública, Comando Geral da Polícia Militar e Polícia Judiciária Civil.

Fonte RDNews/Foto Reprodução


Redacao11 de junho de 2020
Screenshot_20200611-212354_Facebook-1.jpg

4min00

O governador Mauro Mendes (DEM) negou que tenha recebido propina de pelo menos R$ 1 milhão dos executivos da Galvão Engenharia, como divulgado pelo site Congresso em Foco, nesta quinta (11). De acordo com a reportagem, a acusação consta na delação premiada do empresário Mario de Queiroz Galvão, homologada pelo Supremo Tribunal Federal. Por meio de nota, o democrata se diz vítima de um grupo político da Capital. Nega ainda que tenha tido conhecimento da delação e ressalta que o Grupo Galvão perdeu contrato de concessão do serviço de água e esgoto da Capital (pela Cab Cuiabá) quando foi prefeito. O gestor afirma que irá processar os envolvidos.

Confira a íntegra da nota:

“Esta matéria vinculada no site congresso em foco foi encomendada, por um grupo politico da capital de MT, conhedido de longa data e até o presente monento por estar desviando dinheiro publico. Tentam usar a velha tatica: acuse seus adversários de fazer o que você faz, para tentar confundir a população. Fuciciona assim: alguém escreve, arrumam uns sites e parceiros para publicar e depois contratam pessoas e robos para ficar postando nas redes sociais. Irei processar a todos .

Nunca tive conhecimento de existência da suposta delação e se esta narrativa existe é uma grande mentira. Se a Galvão fez alguma doação a campanha e ao partido em 2012, isto era totalmente legal até 2014. Somente agora em 2020 dizer que algo feito de forma legal e declarada seria propina?? Isso é safadeza e deixa evidente a clara tentativa de manipulação dos fatos e da verdade, criando uma história mentirosa, com único objetivo de tentar manchar minha imagem.

Cabe esclarecer que em 2015, sob minha gestao, a Galvão perdeu o contrato de concessão da CAB Cuiabá, pela pessima prestacao dos sevicos, pela falta de agua e diversos outros descumprimentos contratuais. Se a Galvao relatou estes fatos mentirosos, deve ter feito em represália a correta postura da prefeitura em defesa dos cuiabanos.

A verdade é que, como prefeito de Cuiabá e em toda minha vida publica, não tenho nenhuma mancha sobre nossa conduta e não existe nenhum processo de improbidade ou de má utilização de dinheiro publico. Sempre tivemos uma atuação correta e honesta. Diferente do grupo politico que armou esta farsa, pois nos quatro cantos de Cuiabá escutamos relatos de desvio de dinheiro publico, sendo praticados por vários de seus integrantes.

Sempre acreditei e continuo acreditando no Ministerio Público estadual e federal, nos órgãos de controle e que esta quadrilha será desmascarada, seus crimes apurados e terão as devidas penas legais.”

Fonte: RD News/Foto Mayke Toscano


Redacao11 de junho de 2020
Screenshot_20200613-000129_Facebook.jpg

3min00

A equipe de reportagem do portal Transparência MT, recebeu uma denúncia de munícipes na manhã desta quinta-feira (11), sobre a omissão de dados do novo Coronavírus (Covid-19), no município de Santo Antônio de Leverger.

Em entrevista por telefone, o vereador Adelmar Galio (PROS), também afirmou que os dados divulgados pelo Boletim Epidemiológico publicado no site da prefeitura, não batem com os números de casos divulgados.

“A primeira questão é na divulgação dos dados, constam 08 casos confirmados e o número de bairros são 09. Outra coisa, é que também não acredito que sejam somente 08 casos. Em Leverger tem mais casos confirmados, pois são muitas famílias que tem me procurado alegando sintomas da doença e não conseguem fazer o teste na rede pública de saúde, tendo que pagar por exames particulares”, pontuou o vereador.

O parlamentar fez questão de destacar que este assunto, será pauta para uma transmissão ao vivo em sua rede social Facebook nesta sexta-feira (12). “Vou falar sobre essa omissão de dados do Covid-19, em minha Live nesta sexta-feira (12), no meu Facebook a partir das 18h30. Convido toda população de Santo Antônio de Leverger, para participar conosco, estarei com a participação da vereadora Gisele Ribeiro Paim e do deputado estadual João Batista. De antemão, peço explicações do prefeito e da secretaria de saúde, sobre esses dados do Covid-19 em nosso município” ressaltou Adelmar.


Nossa produção tentou contato por inúmeras vezes, durante toda a manhã desta quinta-feira, no telefone que a prefeitura divulga, sendo como um telefone específico para tratar de assuntos do Coronavírus, mas nenhuma das tentativas foram atendidas.

O assessor de imprensa da prefeitura, também foi procurado por um de nossos repórteres, mesmo on-line no Whatsapp, preferiu não responder as perguntas.

Afirmamos que nosso portal está a disposição para ouvir o outro lado.


Redacao10 de junho de 2020
1591843979444-1280x928.png

4min00

Em Cuiabá, vai faltar Unidade de Terapia Intensiva (UTI) até para quem tem dinheiro para pagar. Desde o final de semana, o número de pacientes com covid-19 ou suspeita de infecção pelo novo coronavírus aumentou de forma exponencial.

Enquanto unidades públicas de saúde já anunciam um colapso, as particulares, apesar do silêncio, também enfrentam o mesmo cenário.

“Estamos caminhando para uma situação na qual dinheiro não fará a diferença”, afirma o diretor do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem de Mato Grosso, Djamir Soares.

Segundo ele, hospitais particulares estão sem espaço nos setores exclusivos para pacientes da covid-19 e ainda não têm pessoal suficiente para trabalhar.

Cerca de 50% dos enfermeiros que estão na linha de frente estão contaminados, conforme o sindicalista, e mesmo assim não podem se ausentar. Na verdade, têm sido submetidos a plantões extras, para que seja dado vazão ao fluxo.

Soares lembra que no início da pandemia, muitos estabelecimentos demitiram funcionários por conta da redução nos atendimentos – reflexo da resistência de pacientes de outras doenças em procurar auxílio médico. Agora, com o pico da covid-19 se aproximando, precisam recompor o quadro.

Por esse motivo, empresários estão em busca das cooperativas de trabalhadores. Elas são a forma mais rápida e menos burocrática de atender a demanda, que não será pouca.

Um profissional, que preferiu não se identificar, conta que atua em uma unidade particular e, todos os dias, se depara com trabalhadores afastados.

Além dos que se contaminam no ofício, há os com doenças crônicas ou que possuem um parente dentro do grupo de risco para a covid-19.

“Tem gente que prefere perder o emprego, porque está com medo. Aqui no hospital está lotado”, afirma.

O que dizem os hospitais?

O Hospital Santa Rosa e o Complexo Hospital Cuiabá informaram, por meio de suas respectivas assessorias de imprensa, que não estão falando publicamente sobre a situação das UTIs.

Para todos dos contatados, o espaço continua aberto para manifestações.

Fonte: O Livre