Categoria: Dia-a-dia

Redacao18 de abril de 2021
Screenshot_20210418-211331_Chrome.jpg

7min00

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) apresentou nesta sexta-feira (16) uma projeção de como pretende reconstruir o tradicional Mercado Municipal, localizado no centro da cidade e que há muito tempo sofre com o abandono.

Com a justificativa de levar Cuiabá rumo aos tempos modernos, ele defendeu a demolição do prédio como conhecemos hoje e a edificação de um novo, de quatro andares, que contemplará comércios, estacionamentos e espaço de convivência.

Não é a primeira vez que os cuiabanos, caso o projeto seja concluído, vão ver um espaço público passar por este tipo de transformação. Recentemente, houve a demolição do Estádio do Verdão e, em tempos anteriores, da Igreja Matriz e do Palácio Alencastro.

A expectativa de Pinheiro é abrir a concorrência pública para os interessados no empreendimento em junho deste ano, já que o Estudo Técnico, Jurídico, Econômico e Financeiro foi entregue oficialmente na cerimônia desta sexta-feira (16). Até lá, ele garante que cumprirá à risca todos os procedimentos legais, como a realização de audiências públicas para ouvir a sociedade.

Investimentos de grandes proporções

Além de investir no prédio, quem apresentar a proposta para a Parceria Público Privada também terá que aplicar recursos na área de entorno, como vias urbanas e região das praças Alencastro e Ipiranga.

Outro grande desafio do empreendedor será tornar a região inteligente, ou seja, organizar todos os espaços de estacionamento e dar aos usuários acesso a aplicativos que facilitem a mobilidade na região e também o trabalho da segurança.

A equipe do site de notícias O LIVRE perguntou à prefeitura de Cuiabá, por meio da assessoria de Imprensa, quanto seria o investimento estimado, mas ainda não obteve o retorno.

Vale lembrar que outros projetos de grandes proporções idealizados pelo gestor também não saíram do mundo das ideias, como era o caso da Torre do Morro da Luz. Lá, a proposta era de se construir uma edificação semelhante a Space Needle ( em português “Obelisco do Espaço), localizada em Seatle, nos Estados Unidos, ou CN Tower, em Toronto, Canadá.

Contudo, Emanuel assegura que se manterá firme na programação e espera assinar o contrato com a empresa em setembro deste ano. Após firmada a parceria, o vencedor terá entre 18 e 20 meses para concluir as obras.

A renovação da tradição

Durante vários momentos da apresentação do Estudo Técnico, Jurídico, Econômico e Financeiro, as palavras tradição e juventude foram citadas. Entretanto, ganhou forma o rejuvenescimento da área por conta do descarte do antigo em detrimento de questões comerciais e de sobrevivência.

O responsável pelo trabalho, Arthur de Oliveira, da Promulti Engenharia, citou que foram feitas pesquisas mostrando o desinteresse atual dos mais novos em circular pelo Centro Histórico.  Um trabalho de escuta que também mostrou que eles se interessariam, caso houvessem atrativos.

Por esse motivo, a criação de um espaço novo se justificou e ganhou ares contemporâneos com o uso de inteligência artificial, por meio de aplicativos de orientação, e a instalação de áreas de convivência com disponibilidade de Internet e tomadas, itens essenciais para a nova geração, marcada pela conectividade.

Oliveira também argumentou que é preciso ver o lado da empresa interessada. Como não haverá investimento público no projeto, o investidor precisa garantir o retorno com a área, que virá por meio dos alugueis, do estacionamento e da venda de mídia nos espaços físicos e aplicativos.

Veja o vídeo do projeto:

Fonte, foto e vídeo: O LIVRE


Redacao18 de abril de 2021
Screenshot_20210418-203150_Chrome.jpg

5min00

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste domingo (18.04), 342.896 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 9.084 mortes em decorrência do coronavírus no Estado. As notificações registradas nas últimas 24 horas somam 653 novos casos e outros 53 óbitos.  

Foram notificadas 653 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Das pessoas 342.896 infectadas pela doença desde o começo da pandemia em março do ano passado, 11.183 estão em isolamento domiciliar e outras 320.566 estão recuperadas.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 516 internações em UTIs públicas e 456 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 97,73% para UTIs adulto e em 57% para enfermarias adulto.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (72.910), Rondonópolis (25.530), Várzea Grande (22.540), Sinop (17.967), Sorriso (12.308), Tangará da Serra (11.451), Lucas do Rio Verde (11.004), Primavera do Leste (9.771), Cáceres (7.351) e Alta Floresta (6.500).

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link.

O documento ainda aponta que um total de 303.006 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 1.273  amostras em análise laboratorial.

Cenário nacional

No sábado (17), o Governo Federal confirmou o total de 13.900.091 casos da Covid-19 no Brasil e 371.678 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 13.832.455 casos da Covid-19 no Brasil e 368.749 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados deste domingo (18).

Recomendações

Já existem vacinas para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança.

Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: Folhamax /Foto Reprodução


Redacao17 de abril de 2021
Screenshot_20210417-185639_Chrome.jpg

7min00

Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB) editou neste sábado (17) o Decreto nº 8.392, que altera as medidas de restrição aos segmentos comerciais com o intuito de conter a pandemia da covid-19.

Além de ampliar o horário de funcionamento do comércio local – dentro de um escalonamento no período das 5h às 22h -, o documento muda o horário do toque de recolher, que passa a vigorar das 23h às 5h.

As novas medidas valem até o dia 2 de maio.

Somado a isso, já a partir deste sábado, está permitida a realização dos eventos sejam eles sociais, corporativos, técnicos ou científicos. Também podem ser feitos leilões e os cinemas, museus e teatros poderão reabrir as portas.

Para isso, no entanto, é necessário respeitar o limite de 30% da capacidade máxima do local e seguir os horários permitidos: de segunda a sábado (inclusive aos feriados), das 9h às 20h, e aos domingos das 7h às 12h.

Também é preciso assegurar o uso de máscara e a disponibilização de álcool 70%.

Outro ponto do decreto é a permissão para atividades religiosas de forma presencial. Elas estão autorizadas de segunda a domingo, das 5h às 22h, observando os protocolos de distanciamento social e o limite de 30% da capacidade do local.

O decreto também retoma o atendimento presencial em órgãos públicos e concessionárias de serviços públicos.

Veja demais mudanças

1. Comércio em geral

O comércio em geral, varejista e atacadista, exercerá suas atividades observando o horário de funcionamento de segunda à sábado, das 8h às 18h.

2. Supermercados, padarias, açougues e congêneres

Terão que observar o horário de funcionamento, de segunda a sábado (inclusive feriados), das 6h às 22h.

Aos domingos, podem abrir das 6h às 12h.

3. Serviços

As atividades de prestação de serviços em geral podem ser feitas de segunda à sábado, das 8h30 às 21h.

4. Lojas de conveniência

Localizadas em postos de combustível, esses estabelecimentos poderão funcionar de segunda-feira à sábado (inclusive feriados), das 5h às 22h. Aos domingos, o horário permitido é das 5h às 12h.

Em ambos os casos, é permitido o consumo no local, desde que sentados, observadas as demais medidas previstas no artigo 10 do novo decreto.

5. Academias

Academias de ginástica ou de qualquer outra modalidade de esporte poderão funcionar de segunda à sábado, das 5h às 22h.

6. Shoppings

Os shoppings centers podem voltar a atender o público de segunda à sábado, das 10h às 22h. Aos domingos, o horário de funcionamento será das 7h às 12h.

7. Bares, restaurantes e lanchonetes

Esse tipo de estabelecimento, inclusive os localizados dentro de shopping centers, poderão  funcionar de segunda à sábado (inclusive feriados) das 9h às 22h e, aos domingos, das 9h às 15h.

Assim como no caso das conveniências, está autorizado consumo de bebida alcoólica, desde que os clientes permaneçam sentados e a distribuição das mesas e cadeiras obedeça as normas de distanciamento social.

A modalidade take-away e drive-thru poderá ocorrer de segunda a domingo (inclusive feriados) até as 22h45.

8. Feiras livres

A atividade de comércio de alimentos em vias públicos poderá ocorrer de segunda à sábado, das 8h às 22h e, aos domingos, das 8h às 15h.

9. Delivery

O funcionamento de serviços de delivery ficará autorizado somente até as 23h59, de segunda a domingo. A exceção é para farmácias e congêneres, que poderão funcionar sem restrição de dias e horários.

Fonte: O Livre Com Assessoria / Foto Reprodução


Redacao17 de abril de 2021
Screenshot_20210417-183215_Chrome.jpg

3min00

O preço da carne bovina deve aumentar em Mato Grosso nos próximos dias. A paralisação dos frigoríficos tende a gerar uma limitação de oferta e pressionar o custo para o consumidor final. 

A suspensão temporária dos serviços nas plantas ocorre pelo aumento do preço da arroba bovina e certa dificuldade de repasse desse reajuste para o mercado varejista. No caso de Mato Grosso, isso estaria afetando a disponibilidade de gado nos frigoríficos. 

Conforme o Sindicato das Indústrias Frigoríficas de Mato Grosso (Sindifrigo), as plantas abatem entre 800 e 1 mil cabeças por dia, um volume considerado como viável para a manutenção dos serviços. Mas com o preço mais alto da arroba, houve uma redução desses números.

A Sindifrigo informou por meio da assessoria de imprensa que não vai se manifestar sobre a paralisação dos frigoríficos, mas afirmou que a situação terá impacto em Mato Grosso. 

A Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) disse que, em um ano, o preço do boi aumentou até 60% e a indústria teria passado somente 40% desse reajuste para o consumidor. A arroba chegou a R$ 320 por baixa oferta. 

Em Mato Grosso, o mercado da carne vem pressionado desde o ano passado, quando o preço da exportação ficou melhor para os produtores e houve aumento da demanda da China, reflexo da pandemia.

 Fonte: O Livre / Foto: Divulgação/Abiec


Redacao17 de abril de 2021
Screenshot_20210417-165104_Chrome.jpg

2min00

Três crianças de uma mesma família foram resgatadas, na sexta-feira (17/4), durante um suposto ritual religioso na comunidade de Vila do Treme, em Bragança (PA), a 210km de Belém no Pará.

De acordo com o Conselho Tutelar da cidade, os parentes alegaram que a cerimônia teria o objetivo acabar com a pandemia da Covid-19. A Polícia Civil apura o caso como maus-tratos.

As crianças foram retiradas da guarda da família.

Vídeos que circulam em redes sociais mostram cenas do ritual. As pessoas aparecem rezando em volta de crianças, que choram e gritam.

Outras pessoas tentam impedir a ação e são afastadas pelo grupo que realizava o ritual.

As crianças foram encaminhadas para cuidados em um abrigo. De acordo com a denúncia, o ritual consistia em rezar em volta das crianças, posicionadas de pé, em frente às cruzes, no quintal da casa.

As vítimas ficavam dentro de um desenho que representava uma arca. A cerimônia ocorria em jejum, com duração de horas e ao longo de três dias.

Fonte: Folhamax/Metrópoles Foto: Reprodução


Redacao16 de abril de 2021
carne-pixabay-churrasco-696x522-1.jpg

5min00

Os brasileiros estão comendo menos carne. O consumo desse tipo de alimento caiu mais de 40% no país, segundo um levantamento de pesquisadores da Universidade Livre de Berlim, na Alemanha, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e com a Universidade de Brasília (UnB).

Não é para menos. Dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA) apontam que o preço no varejo de praticamente todos os cortes de bovinos, suínos e de aves aumentou no último mês.

O maior reajuste foi no preço da coxa e sobrecoxa do frango: 9,2% entre fevereiro e março. O custo médio do quilo desse corte em Cuiabá está na casa dos R$ 14,50, conforme o instituto.

A costela suína ocupa a segunda posição, com um aumento nos preços de 7,4%. O quilo tem saído a cerca de R$ 23,60 na Capital.

O levantamento do Imea aponta que apenas quatro tipos de carnes tiveram reajustes para baixo em março. E esses percentuais não chegam nem perto daqueles que foram para cima.

A maior redução de preços foi no quilo do peito de frango: 0,86% o que significa um custo médio em Cuiabá de R$ 12,43 por quilo.

As outras reduções foram nos preços da moela de frango (0,27%), do lagarto bovino (0,33%) e da coxinha da asa de frango (0,01%).

Menos qualidade na alimentação

A pesquisa das três universidades apontou para uma piora na qualidade da alimentação dos brasileiros. Junto com a carne, as pessoas também estão consumindo menos frutas e queijos. Houve queda ainda no consumo de hortaliças e legumes (36,8%).

No caso dos queijos, os indicadores do Imea apontaram que, em geral, os preços caíram.

Isso ocorreu com o queijo minas frescal (1,27%), com o muçarela (4,54%) e com o provolone (1,32%). Somente o queijo prato e o coalho tiveram aumentos de 4,27% e 0,67%, respectivamente.

No caso das frutas, hortaliças e legumes, o Imea possui dados dos itens que compõem a cesta básica.

A banana teve queda de 4,69%. O preço da batata caiu 11,26%, mesmo percentual no caso do tomate.

Todos esses alimentos são considerados marcadores de uma alimentação saldável, segundo nutricionistas. Mas consumi-los em quantidade menor não foi o pior quadro que a pesquisa das três universidades apontou.

Quase 60% das famílias brasileiras passam por situação de insegurança alimentar. Isso quer dizer a incerteza sobre a possibilidade de comprar comida ou uma queda na quantidade ou qualidade dos alimentos adquiridos.

Em 15% dos lares brasileiros, conforme o levantamento, já falta comida na mesa.

A pesquisa, teve os resultados nesta terça-feira (13). Ela foi realizada entre novembro e dezembro de 2020, com duas mil pessoas de todas as regiões do país.

Fonte: O Livre / Foto Ilustrativa/Pixabay


Redacao16 de abril de 2021
praca-popular-cuiaba-mes-maio-2019-6-1024x768-1.jpg

3min00

O Governo de Mato Grosso atualizou as medidas restritivas contra o avanço da covid-19 no estado. As novas regras foram assinadas nesta sexta-feira (16.04) pelo governador Mauro Mendes e pelo secretário-chefe da Casa Civil Mauro Carvalho, e passam a valer imediatamente.

Entre as principais mudanças, está o horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais, que passa a ser das 5h às 22h, de segunda a sábado. Anteriormente, era permitido das 5h às 20h.

Nos domingos, fica mantido o horário de 5h às 12h, com exceção dos restaurantes, inclusive os de shopping centers, que poderão funcionar até 15h. Outra alteração é em relação ao funcionamento de restaurantes e similares nas modalidades take-away (pegue e leve) e drive-thru, que poderá funcionar até 22h45.

A regra anterior permitia até 20h45. Os serviços de delivery continuam autorizados a funcionar até 23h59.

Thank you for watching

Já o toque de recolher passa a valer a partir das 23h, e não mais após às 21h. Também passa a ser permitido o consumo de bebidas alcoólicas nos locais de venda, desde que restrito aos clientes sentados à mesa e respeitados os limites de capacidade e horário.

Todas essas medidas terão que ser aplicadas em todo o estado, mesmo se a classificação de risco do município indicar normas mais brandas. As restrições terão validade enquanto a taxa estadual de ocupação de UTIs for superior a 85%.

Já as demais restrições serão recomendadas aos municípios com base na tabela de classificação de risco, em sintonia com as normas gerais. As forças de Segurança irão atuar de forma a impedir qualquer tipo de aglomeração em todas as regiões.

Fonte: Folhamax / Foto: Reprodução


Redacao15 de abril de 2021
7c08d371f9531345a283193def1d49cf.jpg

5min00

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta quinta-feira (15.04), 338.597 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 8.937 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

Nas últimas 24 horas, foram notificadas 72 mortes e 2.297 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 338.597 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 11.974 estão em isolamento domiciliar e 315.641 estão recuperados.

Entre as mortes registradas, est[a de uma jovem de 26 anos, moradora de Paranaíta. Não foi informado se ela tinha alguma comorbidade.

Um rapaz de 32, morador de Juína, e outros, de 37 e 39, residentes em Cuiabá, também perderam a vida para a Covid-19.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 523 internações em UTIs públicas e 459 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 97,21% para UTIs adulto e em 57% para enfermarias adulto.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (72.045), Rondonópolis (25.253), Várzea Grande (21.937), Sinop (17.413), Sorriso (12.243), Tangará da Serra (11.338), Lucas do Rio Verde (10.948), Primavera do Leste (9.741), Cáceres (7.298) e Alta Floresta (6.473).

O documento ainda aponta que um total de 300.194 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 691 amostras em análise laboratorial.

Cenário nacional

Na quarta-feira (14), o Governo Federal confirmou o total de 13.673.507 casos da Covid-19 no Brasil e 361.884 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 13.599.994 casos da Covid-19 no Brasil e 358.425 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados desta quinta-feira (15).

Recomendações

Já existem vacinas para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança.

Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: Folhamax / Foto: Reprodução


Redacao15 de abril de 2021
amp-cadaver-pq-cba.jpeg

1min00

Um corpo foi encontrado nesta quinta-feira (15), por volta das 12h, pela Polícia Militar, atrás de um cemitério no bairro Parque Cuiabá, na capital.
 
De acordo com informações do local, o corpo é de um homem negro, entre 25 a 30 anos, com duas tatuagens visíveis. A vítima apresenta apresenta lesões no corpo, ainda há sinal de disparo de arma de fogo na cabeça. O corpo foi queimado após ser enrolado em um cobertor.
 
A Polícia Militar está no local para cercar a área e aguarda a chegada das equipes da Politec e da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), responsável por investigar o caso. 

Fonte, foto e vídeo: Leiagora


Redacao15 de abril de 2021
Screenshot_20210414-230750_Chrome-1.jpg

4min00

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), aprovou nesta quarta-feira (14) a Educação como serviço essencial em Mato Grosso. O deputado estadual João Batista do Sindspen (Pros), votou favorável à proposta.

Com a aprovação da matéria, fica autorizado o retorno das aulas presenciais na rede estadual de educação quando comprovada a imunização de todos os profissionais.

De acordo com o projeto aprovado, ficam reconhecidas as atividades educacionais, nas modalidades presenciais, à distância e híbridas, nas esferas municipais, estaduais e federal, relacionadas à educação básica, educação de jovens e adultos, ensino técnico e ensino superior como essenciais no período que perdurar a pandemia da Covid-19.

Também fica garantido o funcionamento dos setores referentes à atividade reconhecidas com capacidade mínima de 30%, ocorrendo o retorno gradual das atividades presenciais. Assegura-se o direito dos pais e responsáveis de optarem pela modalidade educação à distância na educação básica. Estado e os municípios deverão observar as classificações de risco expedidas pelo Poder Executivo, aumentando, gradativamente a quantidade de alunos em sala de acordo com a redução da classificação de risco de cada cidade.

Segundo o projeto, as escolas de Mato Grosso devem observar as seguintes medidas de biossegurança:

  • I. Utilização de máscara em todo o ambiente escolar por alunos, colaboradores e qualquer pessoa que adentrar na unidade;
  • II. Distanciamento de 1,5m (um metro e cinquenta centímetros) entre as carteiras/mesas das salas de aula;
  • III. Escalonamento do horário de intervalo entre as turmas para evitar aglomerações;
  • IV. Realização da alimentação dentro da sala de aula, com cada aluno em sua respectiva carteira/cadeira;
  • V. Disponibilização de álcool em gel em todos os ambientes da escola (salas, pátio, banheiros);
  • VI. Suspensão das atividades físicas coletivas;
  • VII. Medição da temperatura dos alunos diariamente na entrada da unidade escolar;
  • VIII. As Janelas laterais de todas as salas de aula deverão ficar abertas durante todo o tempo;
  • IX. Higienização periódica e diária de banheiros, portas, maçanetas e corrimões da unidade escolar;
  • X. Escalonamento do horário de início e término das aulas para saída dos alunos sem aglomeração;
  • XI. Fixação de cartazes na escola indicando o fluxo de passagem dos alunos nas laterais dos corredores.
  • Fonte G1 / Foto: Mayke Toscano| Secom-MT