Categoria: Educação

Redacao16 de junho de 2021
53289811cd05d30bd9ba1846c094a426.jpg

8min00

A pandemia da Covid-19 ocasionou uma mudança drástica nos métodos convencionais de ensino. Se antes, no modelo presencial, era proibido usar celulares em sala de aula, hoje o aparelho é indispensável para que os estudantes possam assistir às explicações dos professores e acompanhar, de forma remota, o conteúdo proposto pelos profissionais.

Ruptura foi necessária para se evitar a propagação do vírus em todo o mundo. Contudo, teve consequências tanto para os estudantes quanto para os profissionais da educação. Pesquisadora Lisanil da Conceição Patrocínio Pereira, da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), pontuou que impacto só poderá ser medido em longo prazo.

“Todos os institutos que fazem pesquisa têm dito que essas informações só serão consolidadas no futuro. Nesse momento, o que eu posso dizer é que a evasão é muito grande. Muitos alunos desistiram e as consequências disso para o Brasil serão significativas. Se você pensam que temos crianças em idade de serem alfabetizadas, teremos no futuro aumento de crianças analfabetas”, explicou.

Apesar disso, ela e seus estudantes de pós-graduação elaboraram pesquisas para entender essas mudanças na educação no âmbito de Mato Grosso. Por meio de questionários online, professores da rede estadual e municipal de ensino responderam sobre os impactos sentidos durante o período das aulas remotas.

Insônia, estresse, síndrome do pânico e depressão foram apontados por eles como sintomas que começaram a ser sentidos após este período. Isto porque, para além da mudança do ambiente de sala de aula, profissionais precisaram se reinventar e aprender a lecionar de uma forma distinta da habitual.

“Professores passaram a ser autores, youtubers. Eles, por exemplo, agora gravam vídeos, e ninguém foi preparado para isso. Tudo aconteceu de uma forma muito rápida. Eles precisaram comprar computador, comprar tripé, comprar câmera para gravar aula. Muitos não tinham nem plano de internet em casa e hoje têm”, disse.

Abismo social

Se alguns estudantes têm acesso a aparelhos tecnológicos de nova geração, outros mal têm um celular com acesso à internet. Aulas remotas escancararam o abismo social presente entre os estudantes. Conforme pontuou a pesquisadora, muitos alunos precisam andar quilômetros para ir até um lugar com um computador para que consigam assistir às aulas.

Mesmo que alguns professores se esforcem para proporcionar uma apostila física para os alunos sem acesso às aulas digitais, muitos acabam desistindo de estudar pela dificuldade encontrada durante este novo período imposto pela pandemia.

“Até mesmo na graduação tem alunos que desistiram porque não estão conseguindo. Eu tinha turma com 7 alunos, quando o normal é ter 30, 40. Eu até entrei em contato com alguns e eles relatavam que não tinham condições. Mas, em todos os níveis de escolaridade, a diferença tende a aumentar. Isso vai ampliar a desigualdade social”.

Ensino remoto emergencial

Professora Rosana Abutakka, que pesquisa sobre tecnologia no âmbito da educação, explicou que a ruptura na educação presencial tem sido denominada por pesquisadores como “ensino remoto emergencial”. Para ela, educação antes estava em descompasso com as novas tecnologias que estão presentes na contemporaneidade.

“Tecnologias digitais estão presentes na nossa vida, estão presentes nas nossas mãos, na nossa bolsa, no nosso bolso. A gente usa diferentes aplicativos e a educação sempre esteve muito apartada dessa realidade. A pandemia trouxe essa ruptura, então tudo começou a acontecer nos espaços online”, explicou.

Dessa maneira, profissionais precisam encontrar meios de aprimorar os processos e práticas elaborados em sala de aula. Há, inclusive, uma mudança na didática dentro do contexto online como, por exemplo, os processos avaliativos e como eles acontecem dentro desses ambientes.

Abutakka explicou que, por ter sido emergencial, processo ficou desgastado tanto para os professores quanto para os alunos. Profissionais, por um lado, não tiveram formação continuada para ensinar dentro do ambiente online. Estudantes, por outro, não se habituaram a utilizar as tecnologias em favor do aprendizado.

“A pandemia aflorou isso para gente. Agora a educação precisa se ajustar isso daí. Como a educação estava em descompasso com a sociedade atual, agora precisa tatear alternativas para superar essas problemáticas. Veio tudo muito apressadamente e agora é preciso resolver essas questões.”

Volta às aulas

Pesquisadora reconhece que crianças precisam voltas às escolas para que interação e socialização entre os estudantes sejam possíveis.

Contudo, ela defende uma “nova cultura” em que ensino presencial e remoto funcionem de forma conjunta, na modalidade denominada híbrida. Para isso, no entanto, professores precisam ser capacitados para utilizar a tecnologia em favor da educação.

“Antes da pandemia a gente ainda ficava com uma discussão muito dualista, mas quando a pandemia passar a gente vai de fato estar dentro de um contexto de educação híbrida que vai mesclar momentos presenciais com atividades online, com uso de tecnologias”.

“A gente tem que criar uma cultura. Os estudantes, bem como os professores, vão conseguir se adaptar a essa nova cultura. Uma cultura de uma educação híbrida que trabalhe com esses dois contextos. É isso que agora a gente tem que começar a se organizar nesse sentido, mas é perfeitamente possível e o nosso grupo acredita que é uma coisa que não vai mais retroceder”, finalizou.

Atualmente, a rede particular retomou as atividades de forma híbrida e alguns municípios, como Sinop, também retomaram as atividades na rede pública. Profissionais da educação começaram a ser vacinados e há a expectativa de que as aulas presenciais sejam retomadas no início do segundo semestre.

Fonte: RD News / Foto: Reprodução


Redacao20 de maio de 2021
4fc4148e75b5d2520031c81e2d0e0a56.jpg

3min00

Aulas da rede pública estadual estão previstas para retornar no dia 7 de junho de forma híbrida, de acordo com informações da Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Secretário de Educação, Alan Porto, concedeu entrevista coletiva nesta quinta (20). Na modalidade híbrida, aulas são presenciais e virtuais.

De acordo com a pasta, contudo, escolas devem ser fechadas caso o município apresente alto risco de contágio pela Covid-19. Ainda, aulas podem ser interrompidas a qualquer momento em caso de mudança no quadro epidemiológico. É válido ressaltar, conforme noticiou o site RD News, que Secretario de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, alertou para o início da 3ª onda da doença em Mato Grosso.

Ministério Público do Estado (MPE), Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep), Fórum Estadual de Educação e Comissão da Educação da Assembleia realizaram reunião para debater plano de retorno.

Ao todo, são 31 mil servidores da Educação em todo o estado, além de 380 mil alunos espalhados por 731 escolas. Estudantes serão divididos em dois grupos, denominados A e B, e irão comparecer às aulas presenciais em dias ou semanas alternados, a critério de cada unidade escolar.

Caso o pai seja contrário ao retorno do filho, deve apresentar termo de ciência à escola. Desde o início da pandemia, em março de 2020, Estado registrou 2,9 mil casos suspeitos da Covid-19 em servidores, além de 72 óbitos.

Se for constatado um caso em sala de aula, todos devem voltar para o sistema remoto. Estudantes ou servidores com sintomas não devem voltar sem autorização médica. Em casos assintomáticos ou pessoas que tiveram contato com infectados, devem voltar apenas após 14 dias.

Governo investiu R$ 33 mil em cada unidade escolar em equipamentos para assegurar as medidas de biossegurança, como álcool em gel, tapetes sanitizantes e demarcação no chão.

Fonte: RD News / Foto: Reprodução



Sobre Nós

Texto falando um pouco sobre o portal Transparência MT. Endereço e Expediente também.


MANDE UM EMAIL

LIGUE PARA A REDAÇÃO